Everybody Loves The Marauders escrita por N_blackie


Capítulo 8
Episode VII




Episode VII

“O Teste”

Narrado por: Remus Lupin

Camiseta do Dia: Go, Sirius! (“Vai, Sirius!”)

Ouvindo: As brigas da Romilda

Quando finalmente chegou o dia do teste de Sirius ele nos chamou para ver, claro, e muito embora James e Peter insistam em (pelas costas dele, claro) achar que vai ser o maior vexame, estou torcendo para que tudo dê certo. Ele disse que poderíamos levar alguém, então chamei Dorcas (não que tivesse muitas opções, mas mesmo que existissem outras a chamaria, claro). Tomei coragem e resolvi ligar na casa dela, assim podia treinar minha eloquência para as figuras inéditas de “pais da namorada”, quem sabe.

“Sim? “ uma voz de mulher atendeu ao telefone, e limpei a garganta para afastar o nervosismo.

“Se”senhora Meadowes? “

“Quem é? “

“Remus... Lupin. “ era impressão minha ou estava muito abafado no meu quarto naquele dia?

“Ah! Olá, querido! Vou chamar Dorcas, um segundo. “ ela ficou subitamente simpática, e meu sangue descongelou um pouco.

“Obrigado. “

Ouvi o som de vozes, e alguém descendo escadas ao longe. O telefone mexeu um pouco, e logo senti o alívio de ouvir a voz conhecida de Dorcas:

“Rem! Tudo bem?”

“Oi... Hey, Dorcas, você vai à audição do teatro hoje? “

“Hum, não estava pensando nisso... Por quê? “

“É que, bem, meu amigo, o Sirius, sabe? Então, ele vai fazer o teste e tal, chamou os amigos e disse que se quiséssemos podíamos chamar alguém, e eu pensei, sabe, se você não queria, digo, tudo bem se não der, mas talvez, se não tiver mais nada de legal pra fazer... Podia... Bem, ir comigo... “

“Sirius? “ ela pareceu surpresa, e agradeci por não ter comentado a minha gagueira ridícula. “ Legal, vou sim, claro! Que horas? “

“Posso passar umas... Umas seis, que tal? “

“Pode ser, nos vemos às seis! “

Desliguei, e antes de começar e me aprontar salvei o jogo antes que Romilda tivesse desejos de ver o fantasma de todo mundo em Sunset Valley. Assim que sai do banho, secando o cabelo, olhei para as várias roupas estendidas na cama, e lembrei que Dorcas tinha mencionado que o pai dela era policial. Isso significava muita coisa, inclusive que, se eu fosse com cara de louco, ele não iria me deixar entrar, mas ao mesmo tempo se eu usasse minhas roupas normais, era bem capaz de ele me achar um perdedor. Tirei o aparelho, ajeitei o cabelo e optei pelo meio termo, com uma camisa normal e calça jeans. Desci ajeitando o relógio, e quando minha mãe me viu abriu um sorriso com mais significados do que o normal.

“Nossa, quanta pompa para ver Sirius cantar! Alguma coisa que gostaria de mencionar? Um nome, quem sabe... “

“Dorcas, mãe. “ revirei os olhos, sorrindo meio sem jeito para ela. O jaleco estava pronto em cima da poltrona, e ela ainda carregava aquele ar de consultório, como se eu precisasse descrever o que estava sentindo para ela me prescrever alguma coisa. “ Estou bem?

“Claro que está. “

“Não pareço não recomendável, doido... “

“Não, está normal, só não fique nervoso se não vai suar e ter verrugas. “

“Valeu, mãe. “ começamos a rir, e peguei um chaveiro de casa antes de sair para a rua. Estava um trânsito impressionante no asfalto, e se não estivesse a pé teria demorado bem mais para andar o trajeto todo, ainda que estivesse com os passos mais lentos quanto o meu nervosismo deixava. Depois de algum tempo caminhando avistei a porta de entrada dos Meadowes, mas antes de bater fiquei ensaiando o que iria dizer. Assim que tomei coragem, bati na porta, e quem me atendeu foi uma mulher muito parecida com a Dorcas, só que com cabelos bem curtos e loiros.

“Remus? “ ela abriu um sorriso, e assenti automaticamente. “ Harriet Meadowes. Pode entrar, Dorcas está quase pronta.

“Obrigado, com licença. “ murmurei enquanto entrava num hall bem arrumadinho, com alguns retratos espalhados nas mesinhas de canto e alguns prêmios pequenos.

“Quer uma xícara de chá? “ ela me ofereceu, e neguei o mais gentilmente que pude. Já estava começando a me sentir mal com aquela conversa sem muito conteúdo, até que ela perguntou. “ Como se conheceram, Remus?

“Grupo de Estudos, Sra. Meadowes. História. “

Harriet continuou a sorrir, então acho que respondi satisfatoriamente. O barulho de passos veio de cima da escada, e logo Dorcas desceu toda arrumada. Sorri amarelado para a mãe dela e já saltei da poltrona em que estava, olhando para ela.

“Hey.”

“Oi! Vamos? “ ela sorriu, e percebi que até ali ela e a mãe eram parecidas. Acenei timidamente para a Dona Harriet, que já tinha se enfiado na cozinha.

“Estamos indo, mãe! “ Dorcas avisou, e a mãe dela gritou algo estranho de onde estava. Acho que ficou tudo bem, e aproveitei para soltar a pergunta que estava me deixando desconfortável enquanto saíamos para a rua:

“Onde está o seu pai? “

“Trabalhando... Na rua. “ o tom preocupado na voz dela me fez lembrar que o Sr. Meadowes era um policial. Puxei a mão dela para a minha, e entrelaçamos os dedos.

“Agora precisa conhecer a minha família, acho. “ sorri. Dorcas pareceu lembrar disso naquele momento, e assentiu com um sorriso renovado.

“Verdade. O que eles fazem mesmo? “

“Médica. Meu pai, bom, ele é comediante. “ murmurei, com medo que ela achasse que eu estava mentindo.

“Ele é o que? “ ela perguntou mais alto. “ Não ouvi.

“Comediante. “ murmurei de novo, na esperança de que ela seguisse a convenção e parasse de perguntar depois da segunda vez que não ouviu. O problema é que Dorcas não é convencional.

“O que ele faz, Rem. “

“Comediante! “ exclamei um pouco irritado. “ Stand Up.

“Jura? “ ela sorriu mais largo, mas percebeu que eu me incomodei. “ Qual o problema?

“Não sei. “ confessei. “ Queria que ele fizesse algo mais... Respeitável? “

“Como ser policial e arriscar a vida? “ ela falou mais casualmente do que eu faria. Caímos na risada e eu a abracei o mais carinhosamente que sabia.

“É, algo respeitável assim. “ sussurrei para seus cabelos, e continuamos conversando sobre os prós e contras de ser policial ou comediante até enxergarmos a porta do colégio. Entrei me sentindo uma estrela, e guiei Dorcas até o auditório, onde o pessoal da banda ainda afinava os instrumentos. Cedo o suficiente para uns beijinhos.

Narrado por: Peter Pettigrew

Primeira Impressão: Vou me atrasar para a audição

Ouvindo: Don’t Cry for me Argentina (Senhoras e Senhores, a banda.)

“ Vamos tocar músicas antigas pra sempre? “ Taylor, o cara dos pratos, resmunou num tom meio triste enquanto fazíamos a décima volta pela quadra no som mais triste que os musicais já conseguiram produzir. Dei de ombros, e adoraria responder, mas não pude porque tinha uma bosta de trompete na boca.

Faltavam uns quarenta minutos para a audição de Sirius e mal chegamos a segunda parte, de tanto que o treinador fica pedindo para repetir enquanto fecha os olhos e sorri (“Isso é a perfeição, pessoal!”). Fico imaginando se argentinos já tocaram tantas vezes essa música quanto a gente, ou se eles tem treinadores doidos que nem o nosso. Quando ele finalmente percebeu que se continuasse naquele ritmo nós iríamos ter que dormir na grama do campo nos liberou, e larguei o trompete e aquele chapéu ridículo (meu período de negação do quanto ele é estúpido já passou) e corri para o vestiário. Estava com o pé na porta quando ouvi um soluço vindo das arquibancadas, e fiquei curioso. Mudei o caminho na direção do som, imaginando que seria alguma das dançarinas com uma

unha quebrada, mas quando achei quem chorava percebi que não era um desses casos. Reconheci Angelina das aulas de desenhos (meio fácil, ela tem os cabelos mais chamativos do mundo), e me aproximei.

“Angelina? “ me sentei ao lado dela, e seus olhos castanhos com maquiagem borrada me encararam assim que ela ergueu o rosto. Se apressou em esfregar as lágrimas para longe, o que só deixou pior a manda preta, mas fingi que nada estava errado para não magoá”la mais.

“Peter. Tudo bom? “

“Comigo sim, especialmente agora que terminou esse suplício do treino da banda. Mas com você acho que não, certo? “

“Tentei entrar na equipe de dança. “ ela resmungou, e parecia querer bater a cabeça em algum lugar. Dei alguns tapinhas nas costas dela antes que ela realmente fizesse isso.

“Pra que, só pra Vance te humilhar mais uma vez... “

“Dessa vez não foi a Vance, são as amigas dela... Ah, Peter, fui tão idiota... “

“Eles não ligam pras pessoas, Angie. “ olhei com desprezo para o campo. Quero dizer, me chamar de cabeça de tigela, tiozão, tudo bem, mas não faça isso com os outros. “ Eu sei como te animar, pode ser? Vamos para a audiência do teatro, que tal? Sirius vai participar.”

“Sirius canta? “ ela procurou um espelho na mochila para ver o estado em que estava.

“Claro que não! Por isso mesmo será hilário. “

Ela fez uma careta para o reflexo, mas aceitou se levantar quando ofereci a mão.

“Posso passar no banheiro pra lavar isso aqui? “ ela perguntou, e assenti. “

“Tenho que me trocar mesmo, nos encontramos aqui depois. “

Entrei no vestiário mais animado, mas assim que comecei a me vestir pude ouvir passos, e me escondi atrás da primeira fileira de armários, esperando se alguém ia entrar. Ninguém veio, mas percebi que os jogadores estavam conversando do lado de fora. Inclusive Nate.

“Lily está andando com aqueles perdedores, cara. “ ele resmungou, e a voz afetada de Emme Vance respondeu meio incerta:

“Está exagerando, pelo que ela contou eles não são tão ruins “

“Nate, deixe ela. Pelo que me contou, parece que os quatro não são tão ruins assim. “

“Eles me irritam. “

“Irritam como? “

“Sei lá, Emme. Eles me irritam, e estão tentando roubar a minha namorada. Acredita que esses dias nós brigamos e Lily foi na casa daquele idiota do Potter para pedir consolo? Não acreditei quando ouvi. “

“Eles são amigos, Nate. “ suspirou ela. Encostei minha cabeça na parede, já sentindo aquela falta de ar característica de quando levo os socos de Nate no estômago.

“Amigos, tá legal. “ Mintch rosnou de uma forma que me deixou bem mais estressado. “ Se Black continuar a se meter perto da minha irmã vou deixar uma tatuagem do meu punho no pescoço dele.

“Não tem jeito com vocês. “ Emmeline reclamou meio resignada. “ Deixa pra lá. Lily e Lene disseram que eles não são tão ruins, então eu acredito. Me incomodava um pouco, mas se as minhas amigas não veem problema, não vou mais me meter.

“Vou arrebentar a cara do Potter se perceber que ele está dando em cima dela. “ Nate ignorou o que ela tinha dito, o que me deixou ainda mais nervoso. Ficaram em silêncio de repente, e fiz uma nota mental pra lembrar de jogar na cara de James que eu avisei que essa amizade com Lily ia dar problema. Como estava muito quieto recuei um pouco, e me vesti na velocidade mais alta que a minha tremedeira deixou.

Sai do vestiário na ponta dos pés, e vi os pés de Angie ao longe me esperando. Não tinha dado nem cinco passos para encontrar com ela quando senti uns dedos fechando na minha blusa pelas costas, e quando abri os olhos novamente estava encostado na parede, Nate me pressionando ali com os olhos me encarando de um jeito maníaco.

“Pettigrew. “

“Oi, Nate! “ engoli em seco. “ Mas que bela tarde, não? Realmente...

“Estava escutando do vestiário, Pettigrew? Será que já não te ensinei a ficar longe da gente? “

“Eu? Eu não! Não escutei nada, nada mesmo... “ não pude completar porque Nate acertou um soco no meu estômago, e deu graças aos deuses que a minha digestão já estava terminada. Respirei fundo para recuperar o ar, e já comecei a falar antes que ele me desse outra pancada. “ Olha, Nate, sejamos razoáveis, ok? “ tentei argumentar enquanto sentia o tecido do meu suéter quase rasgar conforme ele torcia.

“Me dá um motivo pra não arrebentar a sua cara, Pettigrew. “

“All we need is Love? “ Sorri amarelo.

“Resposta errada. “ Mintch riu idiotamente no fundo, e tive certeza de que iria morrer ali, mas um barulho no fundo assustou os dois, que se olharam rapidamente antes de Nate me largar.

“Dessa vez passou, Pettigrew, mas nos vemos por aí. Avisa os seus amigos pra tomarem cuidado. Não estou brincando.

E foi embora, me deixando congelado no chão. Respirei fundo várias vezes, tentando recuperar o sentido do chão, até que Angie apareceu preocupada.

“Estavam batendo em você? “ ela franziu as sobrancelhas, olhando em volta. “ Imbecis.

“Mais ou menos. “ levantei rapidamente para ela não ficar com pena, e sorri. “ Vamos, vamos.

Ficamos em silêncio por um tempo, e Angie puxou assunto sobre Star Trek no caminho. Pessoalmente não gosto muito do Kirk, e ela adora, então ficamos discutindo os prós e contras entre ele e o meu personagem favorito, Spock. Piccard também entrou em algum ponto da conversa, sabem como é. Acontece.

Chegamos no auditório com alguns minutos de antecedência, e como Remus e Dorcas estavam se amassando numas cadeiras resolvi direcionar Angie para outra fileira “ isso é um relato de família, façam o favor.

Narrado por: James Potter

Meta Atual: Chegar para a audição de Sirius e não rir. Correção: TENTAR não rir.

Ouvindo: The Ting Tings “ That’s not my name

Acho que terminamos, mas ainda fiquei com uma dúvida: qual o nome dela, afinal? “ declarei cansado, e Lily sorriu e começou a gargalhar. Logo depois dos ensaios ela tinha corrido para a minha casa pra conferir o trabalho que eu fiz nas músicas da festa dela. Meu pai me arranjou um programa bacana de mixagem, e depois que me conformei com a ausência de musicalidade naquelas faixas até que me diverti misturando as melodias.

“Você reclamou do autotune da Lady Gaga, seu hipócrita! “ ela exclamou ainda rindo enquanto rolava a lista e lia os nomes. “ Ficou perfeito! Onde conseguiu o programa?

“Meu pai... “ expliquei, abanando a mão do jeito mais casual que consegui. Lily sorriu largo, e me abraçou.

“Está o máximo, James! A festa vai ser perfeita. “

“Sim... “

“Hoje é a audição, não é? “ ela voltou para a minha cama, sentando em cima do logo do Lanterna Verde. Dei de ombros, desligando o monitor.

“Isso aí. Acho que vou me atrasar... “

“Posso ir com você? “ ela perguntou, e abri o guarda roupa muito rápido pra esconder minha cara de surpresa.

“Sério? Hum, não vai ser fantástica, só engraçada e tal... “

“Não confia no Sirius? “ ela me olhava preocupada quando fechei a porta com um estalo.

“Sinceramente? Não, pelo menos pra isso. Qualquer um que o conheça sabe que palco e canto não são exatamente o forte dele. Sério. “

“Eu acredito nele. “ ela sorriu determinada, e senti vontade de beijá”la. Respirei o mais fundo que pude e limpei a garganta, dando de ombros.

“Se quiser ir, fique à vontade. Só que, sabe, o Nate, ele... “

“Ele não vai, James. “ ela revirou aqueles olhos fantásticos, e respondi com um sorriso.

“Já estou mais aliviado. “ ri de tensão enquanto puxava algumas roupas. “ Vamos juntos então, dar o apoio nas horas difíceis de Sirius. Já volto. “

Claro que não vou tirar a camisa perto dela. Além de ser tentador demais “ e eu não ser acostumado com essas coisas “ não quero ninguém tecendo comparações, por mais positivos que sejam os resultados do treino. Troquei por uma das roupas que Roger me ajudou a comprar, e quando apareci fiquei feliz com a reação surpresa dela.

“Roupa nova? “ ela perguntou, se levantando com a bolsa na mão. Balancei a cabeça, sorrindo sem jeito. “ São muito bonitas, devia se vestir assim mais vezes.

“Ahn, sim... “ passei a mão pelos cabelos de nervosismo, e ela se aproximou com um sorriso.

“Só uma coisinha pra ficar melhor... “ ela se aproximou. Prendi a respiração enquanto via seus dedos, tão delicados e tal, tocarem a gola da minha camisa. Com cuidado ela desabotoou os dois primeiros botões, se afastando depois. Senti o rosto esquentar e engoli em seco, sem perceber que tinha ficado com a boca entreaberta feito um babaca enquanto ela me arrumava. Respirei fundo e sem jeito, mas ela fez a gentileza de ignorar meu nervosismo.

“Agora sim. Vamos? “

“C”Claro. “ balbuciei, imaginando que tipo de destino cruel eu teria se Nate visse o que tinha acabado de acontecer.

Decidi, para o completo desespero da minha mãe, pegar a segway, e Lily se apertou atrás de mim, divertida. Não tem problema com essa menina, nunca.

“Isso é lento, mas bem emocionante. “ Lily riu no meu ouvido, arrepiando os cabelos da minha nuca enquanto eu tentava me focar na calçada em direção à escola.

“Se fosse um carro chegaríamos na metade do tempo. “ justifiquei. “ Mas minha mãe diz que só posso dirigir com dezoito.

“Eu gostei. “ Lily se agarrou em mim para se equilibrar, e respirei fundo pela décima vez. Ela me deixa assim.

Chegamos no auditório bem em cima da hora, e levei Lily até a fileira onde estavam Remus e Dorcas junto com Pete e Angelina, uma garota que já fez desenho com ele, acho. O que ela estava fazendo ali é um mistério, mas cumprimentei do mesmo jeito. Olhei ao redor e percebi que

tinha mais gente do que pensei, e Lily me explicou aos sussurros que como aquela era uma audição para vocal secundário provavelmente muito mais gente se inscreveu. Fiquei ainda mais ansioso com Sirius. Ele sabe que não consegue fazer essas coisas, provavelmente vai desmaiar quando vir todo mundo que veio.

Narrado por: Sirius Black

Filme do Momento: Qualquer um com vômito e náusea, por favor.

Ouvindo: Prof. Davis chamando os primeiros concorrentes.

Seria muito mais simples se tivessem simplesmente me pedido para tocar piano o resto da minha vida. Enquanto os primeiros candidatos cantarem, me olhei no espelho, querendo enfiar a cabeça em algum lugar bem escuro para não precisar ver a expressão de vítima de homicídio que estava fazendo.

Amassei a letra da música que vou cantar na mão, e pensei em simplesmente comer o papel e esquecer. Quero dizer, e se alguma coisa bizarra acontecer na hora e eu acabar vomitando nos juízes? Sou só o pianista, e por alguma razão completamente louca, o professor quer me ouvir cantando.

Posso fingir que morri.

Posso quebrar a perna.

Não sei, só preciso sumir daqui!

Ansioso e enjoado, sentei num sofá que alguém tinha colocado nos bastidores e vi alguns dos concorrentes fazendo sons esquisitos para esquentar a voz. Afundei o rosto nas mãos, suando frio, e só tirei a cara dali quando ouvi a voz de Pete:

“ E aí, pronto?”

Ergui o rosto e a sobrancelha. Acho que vou vomitar nele e no resto do pessoal que veio junto.

“Confiamos em você, vamos. “ Remus ergueu o polegar. Olhei em torno, e percebi que James estava realmente querendo rir.

“Não vou fazer isso. “

“Que? “ a expressão saiu da cara dele. “ Mas já está aqui!

“Vou vomitar, e todo mundo acha que não vai dar certo. “

“Eu acho que você vai se sair ótimo. “ Lily lançou um olhar feio para James. “ Estamos esperando para ouvir você! Viemos desejar boa sorte. “ e depois, arrastando todo mundo com ela, foram embora. Assim que me deixaram sozinho senti a náusea voltar com tudo. Respirei fundo, desejando que o cara que estava se apresentando naquele momento não fosse tão ótimo. Todos vão rir de mim. Porque eu fiz isso? Porque?

“Sirius? “ ouvi a voz de Marlene, e o desespero aumentou mais ainda.

“Hey. “

“Pronto? “

“Não. “ bufei. “ Não vou cantar, sinto muito. “

“Como assim? “ os olhos dela arregalaram. “ Não se deixe levar por James, ele não sabe do que está falando... “

“Eu não posso cantar ali. Vão rir de mim! “

“Sirius Black. Não seja idiota, se você não cantar, ah! Eu juro, vou”

“Sirius! “ Davis chamou, e congelei no lugar. Marlene olhou para a cortina que nos separava do palco, e depois para mim.

“Vai. “

“Não posso. “

“Anda! “

“Não posso! “

“Sirius! “

“Marlene! “

Bufando, ela se aproximou de mim, encostando os lábios na minha boca. Entrei num transe momentâneo, sem entender como de repente estava beijando uma garota. Nos soltamos rápido demais, e senti suas mãos me arrastando até a entrada. Não esbocei reação nenhuma, torcendo por outro beijo mais longo que aquele, mas quando percebi já estava em frente ao microfone, olhando aquela multidão quieta, esperando que eu fizesse algo impressionante.

“O que vai cantar, Black? “ Davis perguntou com um sorriso animado.

“B”Blue October. Congratulations. “ respondi gaguejando, segurando no cabo do microfone para tentar disfarçar a tremedeira do meu corpo todo.

“Ooooook. “ ele rabiscou a prancheta com um lápis, e me indicou a plateia. “ Pode ir.

Me abaixei para pegar o violão, e decidi que não iria mais olhar aquele povo, ou iria realmente ter um acesso ali. Fiz o sinal de positivo mais fajuto da minha vida, e quando ergui a cabeça para ajeitar o violão e o microfone vi meu pai e Marlene sorrindo e acenando. Decidindo pela segunda vez que eu definitivamente não podia olhar para lá, enchi o peito de ar e comecei:

Is that seat taken? Congratulations. Would you like to take a Walk with me?”

Olhei para James, que me encarava boquiaberto, e senti certa satisfação.

My mind it kind of goes fast… I try to slow it down for you! I think I’d love to take a drive, I want to give you something, I’ve been wanting to give to you for years…My heart…”

As garotas do coral começaram a cantar o refrão para mim, e eu tirei esse tempo para respirar um pouco.

I came to see the light in my best friend… You seemed as happy as you’d ever been. My chance of being open was broken, and now you’re Ms. Him.”

Peter e James pareciam que iam desmaiar, e eu me concentrei bem na música, enquanto escutava Davis anotar algo na prancheta.

My words they don’t come out right, but I’ll try to say I’m happy for you! I think I’m going to take that drive; I want to give you something I’ve been wanting to give to you for years… My heart!”

Alonguei as últimas vogais por alguns segundos, encarando o chão esperando uma dúzia de tomates. De repente uma onda de palmas me ensurdeceu, e arrisquei olhar para a plateia furtivamente. Sorri involuntariamente enquanto meu pai socava o ar e assoviava, orgulhoso. Um pouco trêmulo, voltei para os bastidores e corri para o banheiro para vomitar.

Assim que consegui andar em linha reta de novo, sai do banheiro, ainda passando água no rosto para me acalmar. Os últimos concorrentes estavam acabando, e me joguei no sofá sentindo como se tivesse corrido uma maratona. Ouvi as últimas apresentações sem escutar nada direito, e tive outro pico de nervosismo quando Davis chamou todos que tinham cantado até o palco.

“ Primeiro quero dizer que vocês todos foram muito bem. “ ele começou, sorrindo tanto que me fez querer bater nele. “ Quando nossas produções precisarem de ajuda extra, alguns serão convocados com certeza. Infelizmente só temos uma vaga, então só um de vocês foi escolhido.”

Minhas mãos começaram a suar, e eu achei que fosse precisar voltar pro banheiro.

“ O nosso novo vocal de fundo masculino é ... Sirius Black! “ anunciou, e os aplausos me fizeram perder o chão.

A última coisa que vi antes de desmaiar foi meu pai gritando.