Um Amor Inesperado escrita por Raquel-Reh


Capítulo 7
7- Situações inesperadas


Notas iniciais do capítulo

Oii!
É... a fic ta chegando ao final T.T
Mais uns 3 capítulos e acho que termino...

Avisos:
* As personagens não me pertencem, são do Grupo Clamp e foram modificados alguns dados do anime CCS...

Boa leitura!



As semanas foram passando, Shaoran e Sakura se encontravam com freqüência, mas não demoravam muito, afinal, era ano de vestibular e precisavam estudar bastante.

Nas férias do meio do ano escolar, os dois tiveram duas semanas livres, que aproveitaram namorando, saindo com amigos, se divertindo. Fujitaka e Yelan achavam normal eles saírem juntos às vezes, pois eram ‘irmãos’ e tinham quase a mesma idade. Nem se davam conta de que quando um saía, o outro logo depois ia passear e chegavam quase na mesma hora. Seus pais eram também bastante calmos e bem moderninhos, ao contrário de Toya, mas como estava casado, não sabia de tudo o que se passava em sua antiga casa.

Essas duas semanas passaram voando e logo voltou a correria de escola, curso, trabalho... Os dois pombinhos quase não se viam durante semana, pois estavam muito enrolados estudando. Porém, justo no dia que estavam sozinhos, quase foram pegos no flagra. O que acontece é que Yelan, às vezes, faz algumas coisas na rua, antes de voltar para casa do trabalho, dando um tempo, sem perceber, a sós para Sakura e Shaoran. À noitinha, assim que ele chegou em casa, lembrou-se que sua mãe não estaria e viu Sakura sentada na mesa da sala estudando.

- Muito boa noite, minha flor! – disse Shaoran, bem baixinho, se aproximando dela para depositar-lhe um beijo. Porém parou no meio do caminho quando ouviu a porta de entrada sendo aberta e uma voz bem conhecida.

- Boa noite, monstrenga, papai falou que você tava em casa e pediu para... – Touya havia chegado como um foguete e já começava a falar sem parar, quando percebeu que Shaoran estava inclinado, com a face muito perto de Sakura, que encontrava-se sentada com uma das mãos próxima ao rosto de Shaoran.

Ela não pensou duas vezes, vendo o semblante confuso e desconfiado de seu irmão, deu um tapa na cara de Shaoran.

- Eu não quero mais você me atrapalhando! Além de você afastar todos os meninos que me interessam, você ainda faz piadinha com o vestibular! – ela levanta-se, aparentemente furiosa e pára ao lado de Touya. – Pelo visto você treinou muito bem seu aprendiz, Touya. Não mudou nada desde criança! Sempre me perturbando! Ele é um chato como você. – E vai para seu quarto resmungando.

- É, pelo visto ela não gostou da sua brincadeira, Shaoran. – Touya dizia já recuperado do chilique de Sakura – Falando nisso, é bom ter alguém no meu lugar para afastar os garotos de perto dela. Gostei disso.

- Pois é, faço apenas minha obrigação... – Shaoran, que já conseguia falar após o choque do tapa, se controlava para não rir de seus pensamentos.

- Bom, vamos ver se você consegue me ajudar, já que a monstrenga se trancou no quarto. – ele retira um papel do bolso e o abre – Papai pediu para eu pegar o documento que tem as fotos do Vale do sei lá o que, e da exploração da Itália...

- Vale da Côa... – completou Shaoran.

- Isso! Como eu odeio esses nomes esquisitos... Não sei como você e meu pai gostam.

- Pois é, temos gostos iguais. Eu acho que ele deixou o envelope por aqui – e começou a revirar a estante perto da porta de entrada – Achei! É esse aqui.

- Ainda bem que não demorou, já to atrasado para me encontrar com a Kaho e ainda tenho que levar isso pra papai. Bem, tchau, Shaoran. TCHAU, MONSTRENGA! – gritou para que ela escutasse.

- EU NÃO SOU MONSTRENGA!!! – ouviu-se um grito vindo do quarto.

Touya e Shaoran riram.

- Certos hábitos nunca mudam, né, Touya?

- Certamente que não.

- Tchau, manda um abraço pra Kaho.

- Sim. – e fecha a porta.

Uns minutinho depois, Sakura aparece na sala.

- Ufa, essa foi por pouco, ainda bem que já foi embora. Aquele chato!

- É... Aquele chato COMO EU, né? E que história é essa de garotos que te interessam, heim, Senhorita Sakura Kinomoto?

- Ah, eu tava disfarçando! Você sabe que não é chato e o único garoto que me interessa – ela colocou os braços em volta do pescoço dele - é você!

- Assim espero. – ele pousava suas mãos na cintura fina da menina - Poxa, aquele tapa não foi fraco não, ta doendo até agora! Você não podia maneirar um pouco, não?

- Ah, Shaoran, que isso! Nem foi tão forte assim, e mesmo assim, tinha que parecer real, já pensou se o Touya desconfia? Justo ele! Desculpa... Deixa eu dar um beijinho para melhorar... – e lhe beija a bochecha.

- Agora ta um pouco melhor. – ele dizia com um sorriso maroto - Mas quero outro tipo de beijo que vai melhorar rapidinho a minha dor. – e a puxa mais para perto de si e tasca-lhe um beijo apaixonante, de tirar o fôlego.

Trocaram mais alguns carinhos e foram lanchar, afinal, não poderia se arriscar mais, pois Yelan já estava para chegar.

-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-xXx-

Mais um sábado chegou e com ele, algumas novidades. Durante o jantar, Fujitaka e Yelan comunicaram que queriam fazer uma viagem lá para final do ano.

- O que vocês acharam?

- Ah, Yelan, até que a ideia é boa, mas eu e Shaoran temos provas até meio de dezembro, é impossível irmos antes.

- Já imaginávamos isso, filha, por isso pensamos em ir só nós dois agora e depois do resultado de vocês, viajamos os quatro.

- Isso! Perfeito. – Sakura deixou escapar – Quer dizer, assim podemos fazer as provas e viajarmos depois, pena que vou ter que ficar com o chato do Shaoran aqui.

- Heeii! Não sou chato – Shaoran tentava se defender – Sabe o que a Sakura fez hoje, Fujitaka?

- Que a Sakura se irritou com você? Touya comentou algo a respeito comigo mais cedo.

- Pois é, só que além de gritar, ela me bateu! – ele fez uma cara de cachorrinho carente – Poxa, eu sou um bom ‘irmão’ – num tom um pouco irônico - pra ela, e é isso que ela me dá em troca... – Sakura quase o fuzila com o olhar e sorri como quem diz: ‘isso vai ter troco’

- Sakura! Isso não é maneira de tratar seu irmão!

- Mas papai, a culpa foi dele! Ele fica me atazanando o dia todo! Principalmente – ela olha para Shaoran e abre um pequeno sorriso sarcástico para ele, que passou despercebido por seus pais – porque ele fica afastando os meus “possíveis futuros namorados”... – ela faz um olhar triste e Shaoran fica carrancudo imediatamente.

- Bom, chega desse assunto, que isso não se repita, filha, tente dialogar em vez de bater.

- Pode deixar papai, não vou deixar o Shaoran me ‘provocar’ mais. – abre um sorriso sincero cheio de ironia.

- Então, em relação à viagem faremos isso. Eu e Fujitaka iremos início de novembro e vocês vão depois.

- Certo – os dois pombinhos responderam em uníssono.

Passaram-se mais algumas semanas, e logo chegou o aniversário de Sakura, que completaria 18 anos. Era uma sexta-feira bem agitada, ela foi para a escola de manhã e à tarde resolveu sair com as amigas para, à noite, comemorar com a família. No meio da tarde, Shaoran inventou que tinha que estudar com o pessoal do curso, e Yelan deu-lhe o resto da tarde livre. Ele saiu do escritório e foi ao shopping se encontrar com sua amada.

Sakura já havia lanchado com suas amigas e conversado bastante. Quando suas amigas foram embora, só ficou Tomoyo, que aproveitou para contar que ela e Eriol começaram a namorar há alguns dias. As duas começaram a dar gritinhos e fazer planos para saírem os quatro juntos oficialmente em casal. Alguns minutos depois Tomoyo foi pra casa também, pois depois ela, sua mãe e Eriol iriam se encontrar no restaurante com a família Kinomoto Li.

Já fazia alguns minutos que Shaoran estava atrasado. Sakura o esperava no lugar combinado, caminhando de um lado para outro. Outros minutos se passaram até ela o avistar quase correndo.

- Nossa, o que houve?

- Desculpe pelo atraso, mas é que o trânsito ta muito ruim, sabe, até vim de táxi para ser mais rápido, mas não adiantou – ele deu um selinho nela.

- Tudo bem, vamos comprar os ingressos?

- Vamos, mas antes, quero passar no banheiro, já volto.

- Espera eu vou com você.

- O que? Não precisa! Fique aqui me esperando.

- Mas eu não vou só te acompanhar, preciso mesmo ir.

- Hum... Tem certeza?

- Tenho, por quê? Qual o problema, Shao?

- Er... Nada, Problema nenhum...

Os dois caminharam para os banheiro que ficavam um ao lado do outro. Sakura entrou e Shaoran fingiu entrar no masculino, mas logo deu meia volta. Saiu rapidamente do corredor e foi até uma loja que havia em frente aos banheiros.

- Emi! – Ele disse se aproximando.

- Oi, Shaoran! – ela o cumprimenta com um beijo na bochecha.

- Nossa, pensei que não iria dar certo, quando ela disse que também iria. – disse após retribuir o cumprimento.

- Eu percebi, por isso preferi ficar aqui esperando você.

- Fez bem!

- Toma, os presentes...

- Obrigado, Emi, obrigado mesmo! Se você não tivesse me ajudado eu não conseguiria fazer surpresa alguma. – ele a abraça.

- Não foi nada, amigos são pra isso. – ela retribui o abraço, porém ambos não perceberam que estavam sendo observados por um par de olhos esmeraldinos, digamos que um pouco ciumento.

- Você não quer ficar para conhecer a Saki?

- Não, acho melhor deixar para outro dia, esse é um momento só de vocês dois.

- Tudo bem, então. A gente marca outro dia, eu te ligo pra combi...

- Shaoran. – Sakura o interrompe e pára ao lado dele, surpresa por ele não estar esperando-a no corredor do banheiro.

Shaoran e a amiga não esperavam que Sakura fosse tão rápida, ela não tinha demorado nada.

- Nossa, você foi rápida demais.

- Por quê? Era pra demorar? – ela olhou para Emi de forma curiosa.

- Não é isso. Bom, deixa eu te apresentar. Sakura, essa é uma amiga minha, Emi. Emi, essa que é a Sakura.

- Muito prazer, Sakura. – deu um beijo na bochecha da menina - Bom, não quero atrapalhar vocês. Eu já vou indo, Shaoran. Depois a gente se fala. Tchau – ela se despede dele com um beijo e um abraço rápido.

Até então, Sakura não tinha notado os presente nas mãos de Shaoran, ela só ficava observando a amiga de seu namorado. Alta, magra, ruiva, com cabelos curtos e ondulados e olhos belamente amendoados. Era muito bonita.

- Parabéns, minha flor! Toma, são pra você. – ele entrega os presentes e lhe dá um beijo.

- O-obrigada. – ela fica mais surpresa do que já estava.

Os dois se sentaram em um banco perto dali e Shaoran explicou o que tinha acontecido.

- Nossa, quase que você estraga a minha surpresa. – ele ri – Foi por isso que eu tinha chegado atrasado. É que eu fui encontrar a Cho na frente da “Bombom e Cia.” Para ela me ajudar com os presentes. Eu não sabia o que te dar além das flores e do chocolate, então ela sugeriu o ursinho. Na hora em que eu falei que ia ao banheiro, eu ia pegar os presentes com ela que estava ali por perto me esperando e depois te fazer uma surpresa, só que você também quis ir. – ele disse sorrindo.

- E quem é essa sua amiga?

- Ela é lá do curso. Ai, quando eu tava bolando essa surpresa pra você, ela foi a única que se ofereceu pra me ajudar, nenhum dos caras podiam. A Emi é muito legal, você vai gostar de conhecê-la. É muito engraçada, também. Uma ótima pessoa. Nos damos bem. – ele fez uma pausa. Sakura ficou com uma cara diferente, já dava para notar que ela estava com ciúmes - Que cara é essa, Saki? É impressão minha ou você ta com ciúmes? – disse já com vontade de rir.

Ela ficou muda e virou o rosto.

- Então deve ter sido os presentes... Você não gostou, foi isso? – ele perguntou preocupado.

- É claro que gostei, Shaoran, adorei!

- Então por que você ta com essa cara?

- Não é nada, é que... Ah! Ta bom, eu fiquei com ciúmes sim, poxa. Essa sua amiga aí, que o nome mesmo já diz, é mais velha, bonita, alta, bem diferente de mim e você nunca falou dela... Ah, sei lá, eu fico com medo de você ter algo com ela e esquecer de mim...

- Ah, Saki, eu não acredito que você ta pensando assim. Você fica muito lindinha quando ta com ciúmes, mas não é pra ter ciúmes de mim. Eu sou apaixonado por você, e você sabe disso. Eu não olho pra nenhuma outra garota, pra mim todas são iguais e você a diferente, a especial. Você é muito mais bonita que a Emi ou qualquer outra garota, é inteligente e muito madura para a sua idade. E o mais importante é que eu posso te dizer que essa paixão ta se transformando em algo maior, que eu nunca senti antes... Sakura, eu estou te amando, de verdade...

Ela ficou muda e sem reação, até que abriu um sorriso e o puxou para um beijo apaixonado.

- Eu te amo tanto! Me desculpa, Shao, eu adorei tudo que você fez, a surpresa, os presente... E agora eu banquei a boba com ciúmes, mas é que eu tenho medo de te perder...

- Mas, minha flor, você não vai me perder.

- É que eu to com outras coisas na minha cabeça, eu tenho receio de que meu pai e a Yelan, quando souberam o que ta acontecendo, separem a gente, ou então eles acabem brigando ou algo do tipo.

- Bem, Saki, se eu conheço bem a minha mãe, ela não vai tentar separar a gente nem brigar com seu pai, eu acho que no início vai ser muito difícil para eles se acostumarem, principalmente o Touya, mas depois, acho que eles vão aceitar legal. O importante é que a gente não fique escondendo isso por muito tempo e conte logo para eles, pois se descobrirem sozinhos, será muito pior, afinal eles confiam na gente.

- É, eu sei disso... Mas agora não quero mais continuar esse assunto.

- Eu também não, tenho algo melhor pra fazer...

- Ah é? O que?

Shaoran a beija. Ambos esqueceram do mundo ao redor, o que importava para os dois naquele momento era aproveitar a tarde na companhia um do outro.



Notas finais do capítulo

Espero que até agora esteja do agrado de todos n.n
Bom, no próximo capítulo terá mais emoções...

Agradeço novamente a todos ;D

Beijoss