O Cometa escrita por Carol, thammy horan jones, renatatwifan


Capítulo 4
4. À Primeira Vista.


Notas iniciais do capítulo

Oi povo, tudo bom com vocês?
Então... Eu queria agradecer muito muito muito aos reviews do capítulo anterior, e também fazer um agradecimento especial à Gabiih - uma leitora Diva - que fez a primeira recomendação para a minha história *------* OBRIGADO AMOURE!*MomentoAutoraEmocionada* ...
Agora, tem mais um capítulo aí para vocês. Aaah... Este cap. não foi revisado pelas betas, eu tive alguns imprevistos e não deu para enviar, então desculpem-me se tiver algum erro
Boa leitura...



4.À primeira vista.

Abri os olhos lentamente, sentindo algo que é bastante incomum aqui em Forks: calor. Tudo bem que estávamos no verão, mas eu li na internet que a média de temperatura daqui, mesmo nos meses mais quentes do ano, não passa de 21°C, ou seja, hoje definitivamente está mais quente do que normal.

Levantei-me da cama e fui tomar um banho para espantar o sono. Como estava calor, vesti um short de sarja e uma blusinha regata, coloquei uma sandália rasteirinha e fiz um make básico. Prendi os cabelos em um rabo de cavalo e me olhei no espelho: estava tudo em ordem. Desci para ajudar a vovó e a tia Alice com o almoço.

-Bom dia! - falei enquanto entrava na cozinha.

-Bom dia, querida. - Esme respondeu. - Dormiu bem?

-Dormi sim, vovó. Onde está Alice?- perguntei, pois ela não estava na cozinha.

-Alice está no quarto digitando o resto dos dados da nova campanha para apresentar à modelo que vem almoçar conosco hoje.

-Hum... Desculpe por não ter descido mais cedo, eu não sabia que a senhora não teria ajuda para o almoço hoje.

-Tudo bem Ness, hoje é domingo, você poderia ter ficado mais tempo na cama se quisesse. - ela falou sorrindo.

Esme era sempre assim carinhosa comigo, aliás, minha família inteira era e, apesar de eu já ter dezenove (quase vinte) anos, eu ainda era a princesinha deles. Talvez isso deva ao fato de eu ter sido a primeira neta de meus avós - tanto maternos quanto paternos - e também a primeira sobrinha de meus tios. A única certeza que eu podia ter era: eu adorava a forma como eles me tratavam.

-Quer que eu faça alguma coisa?- perguntei.

-Bom, eu já estou quase terminando com o almoço, então se você quiser fazer a calda branca para a sobremesa... - ela falou meio sem graça. Esme não se sentia nada bem quando me via fazendo o ‘seu’ serviço.

-Tudo bem, eu vou fazer a calda então. - falei sorrindo. - Onde estão o leite condensado e as nozes?

-O leite condensado está na dispensa e as nozes estão no armário de grãos e cereais.

-Ok.

Comecei a fazer a calda e Alice entrou na cozinha.

-Nossa, que delícia, Ness. O que é isso? - ela perguntou com aquele ar de grávida gulosa.

-É uma calda branca com nozes para colocar por cima daqueles morangos silvestres. - falei divertida enquanto via ela salivar.

-Ah, bonito dona Renesmee! Isso é coisa de se fazer com uma mulher grávida? - ela perguntou, se fazendo de ofendida.

-Coitadinha de você, né dinda? - falei rindo. Alice, ao contrário de mim, nunca foi de comer muito. Mas em compensação, quando engravidou ela passou a comer mais do que um búfalo.

-Nessie... - Alice falou com carinha de inocente.

-Lá vem o golpe. - vó Esme disse rindo.

-Fala tia. -eu disse.

-Eu posso provar um pouquinho da sua sobremesa? Só um pouquinho... Por favor?

-Tudo bem, tia, você é uma manipuladora, mesmo! Mas é só um pouquinho, OK?! Ainda não está pronto.

-Ainn... Obrigado, minha flor. Agora me dá! -ela estendeu a mão com os olhinhos brilhando.

Coloquei um pouco da calda em uma taça para ela e continuei a fazer a minha receita. De repente me lembrei:

-Alice, que horas são?

-Já passa do meio-dia. Temos que servir logo esse almoço, gente!

-A que horas você combinou com a modelo?

-Às onze e meia, ela está atrasada.

Parece até que foi combinado, pois no momento em que Alice disse isso, a campainha tocou. Percebi que ela ficou absolutamente surpresa, o que definitivamente não era normal, pois nada escapava ao ‘dom peculiar’ de Alice. Antes de sair da cozinha para atender à porta, ela sussurrou:

-Ela chegou, agora eu consigo ver, mas isso é estranho porque eu não consegui vê-la vindo para cá. -falou e então saiu.

Ouvimos ela abrindo a porta e a voz de uma garota aparentemente nervosa invadiu o ambiente:

-Oh, Sra. Hale, desculpe o atraso... É que o meu irmão estava dormindo com a porta do quarto trancada e eu não consegui acordá-lo de forma alguma, então eu tive que mandar o meu namorado esmurrar a porta do quarto para que o preguiçoso acordasse. Ele até acordou, mas com um baita mau humor e eu levei um tempão para convencê-lo a emprestar o carro para o Paul me trazer, então ele...

-Tudo bem Rachel - tia Alice interrompeu a garota que, ao que parece não pararia de tagarelar tão cedo. - Não foi culpa sua, no mínimo o seu irmão estava com muito sono. Não se preocupe, houve um atraso e o almoço ainda não foi servido. - Alice falou para tranquilizar a garota. - E a propósito, me chame apenas de Alice. Hale é o sobrenome do meu marido e eu me sinto como se estivesse no século passado quando sou chamada de “Sra. Hale”. Eu não gosto de me sentir no século passado, eu sou moderna!

-OK então, Alice. E mais uma vez, desculpe o atraso. - ela parecia mais calma agora.

-Não tem problemas querida, agora entre.

Elas entraram na cozinha, onde Esme estava terminando de fazer o almoço. Eu já tinha ido para a sala de jantar ajudar Marie a pôr a mesa.

-Mamãe, essa aqui é a Rachel Black. - Alice falou. Eu e Marie ouvíamos tudo da sala de jantar. - Rachel, essa é minha mãe Esme.

-Muito prazer em conhecê-la, Rachel. - Esme falou.

-O prazer é meu, senhora. - Rachel respondeu timidamente.

Eu terminei de arrumar a mesa e fui para a cozinha ajudá-las com as panelas. Quando entrei, pude finalmente ver a garota. Ela era muito bonita, devia ter aproximadamente 1,78 de altura, um corpo magro e esbelto, não tinha muitas curvas e nem um número considerável de sutiã. Ou seja: ela era definitivamente uma modelo. Tinha um rosto muito bonito, exótico. Os traços indígenas eram muito nítidos, sua pele morena, mas não bronzeada, tinha aquele tom avermelhado que só os nativos têm. Seus cabelos eram pretos e extremamente lisos, caindo como uma cortina negra até a sua cintura.

Quando me viu, a garota deu um gritinho histérico, correu até mim e me abraçou. Eu não entendi nada.

-Renesmee Cullen... Eu nem acredito nisso! - falou sorrindo.

-Desculpe, mas... Você me conhece de onde? - perguntei tentando não parecer indelicada.

-Eu vi aquela campanha de jeans que você fez. Ficou simplesmente perfeita! As garotas mais invejosas juravam que eles tinham usado Fotoshop nas suas fotos. Eu disse que achava que não, e agora que eu te conheço, eu tenho certeza!

-Espera aí. - Alice interrompeu. - Fotoshop nas fotos da Nessie? As barangas que falaram isso têm algum problema mental? Olha bem para a minha sobrinha linda e perfeita e me diz se é necessário algum ajuste aí. Com certeza essas mal amadas são tremendamente invejosas.

-Tia, a senhora nem sabe de quem a Rachel estava falando, nem conhece as garotas, como pode falar dessa forma? - repreendi Alice.

-Não, Renesmee. Está tudo bem, Alice tem razão - Rachel disse. - A Melyssa e a Stacey são mesmo umas invejosas e eu tenho certeza de que se elas te vissem pessoalmente, morreriam de dor-de-cotovelo.

Eu corei. Todos sempre me elogiavam tanto! Aquela campanha de jeans que eu fiz depois de muita insistência da parte de Alice, me rendeu uns bons meses de constrangimento. Na faculdade, as pessoas que sempre me olharam com certa admiração, passaram a me adorar e eu, claro, morria de vergonha.

-Nessie, querida, você me ajuda a levar a comida para a sala de jantar? - Esme perguntou. Com certeza ela havia notado o meu constrangimento e me chamou para me tirar daquela situação. Ela era tão adorável!

-É claro vovó! - respondi imediatamente.

O almoço foi super divertido, Rachel era uma pessoa ótima! Ela era engraçada, comunicativa e parecia ser bastante leal também, ou seja, não era nada parecida com as garotas de Nova York.

Quando terminamos de comer a sobremesa, tia Alice nos arrastou para o quarto dela para mostrar à Rachel os seus planejamentos. Era uma campanha de calçados, e quando Alice falou que eu seria a responsável pela estética do trabalho (inclusive as fotografias), Rachel ficou muito feliz.

-Então, Ness, quer dizer que você é fotógrafa? - perguntou curiosa.

-Sim. - respondi - Eu me formo esse ano em design gráfico. Eu amo desenho e fotografia!

-Isso é muito legal. - ela disse sorrindo. - Mas, espera aí... Como assim se forma esse ano? Quantos anos você tem? Dezessete?

-Dezessete? Nossa... Eu pareço tão nova assim?

-Não... Quero dizer, você tem corpo de mulher, e que corpaço! Mas, tem um rosto tão delicado.

-É o que eu vivo dizendo! - Alice falou, intrometendo-se. - A Ness tem um corpo que desperta desejo em qualquer homem, mas ao mesmo tempo, tem um rosto de boneca. Ela tem os traços tão perfeitos que não vai precisar se preocupar com máscaras e cremes antirrugas tão cedo.

Corei imensamente.

-Na verdade, Rachel, eu tenho dezenove anos. Faço vinte daqui a quatro meses. - falei meio envergonhada.

Nossa, com certeza a Stacey vai morrer de inveja quando te conhecer!

-Quem é essa tal de Stacey? - perguntou Alice.

-É uma garota completamente sem noção, metida, vadia. Ela estuda na Forks High School, mas tem um primo na reserva, então, passa muito tempo por aqui. É uma oferecida, se vocês querem saber. Ela não para de se jogar em cima do meu irmão e ele é claro, como não é nada santo, já “pegou” ela, mas ele sabe que ela não vale nada e já deu um belo pé na bunda dela. O problema é que a garota simplesmente não se toca! - Rachel disse.

-Sabe o que eu acho, Rachel? - perguntei, ela me olhou curiosa. - Eu acho que você só não gosta dessa garota porque ela namora o seu irmão. Para mim, isso é ciúme fraternal. - falei e ela gargalhou.

-Namorada... - pausa para mais umas risadas. - O meu irmão não namora ninguém, Renesmee! Ele é um dos caras mais safados de La Push, só perde para o Embry. Se eu fosse ficar com ciúmes de cada garota com quem ele fica, com certeza eu já teria arrancado todos os meus cabelos! Na verdade, todas elas são fúteis e superficiais, mas as únicas que me irritam mesmo são a Stacey e a Melyssa, que se diz melhor amiga da outra, mas não perdeu tempo em se jogar para cima do Jake quando foi lá em casa e ele, lógico, aproveitou. Mas eu nem me dei ao trabalho de dar uma bronca nele por isso. Eu acho que foi bem feito para a vaca da Stacey!

-Nossa, pelo jeito o seu irmão é bem ligeirinho, né? - Alice falou, Rachel riu.

-Ah, ele é super responsável, trabalha em uma oficina em Forks e dá conta das despesas da casa quase sozinho. Mas, apesar de tudo ele só tem vinte e um anos e gosta de curtir sua juventude, por mais responsabilidades que ele tenha. Vocês nem imaginam.

-Seu irmão caçula tem vinte e um anos? - perguntei. - Quantos anos você tem, então?

-Eu tenho vinte e quatro, faço vinte e cinco em agosto. - respondeu sorrindo.

-Meninas, o papo está muito bom, mas agora eu preciso ir. Adivinha, Ness? O Jazz acabou de mandar uma mensagem de texto dizendo que está quase chegando com o meu baby! - seus olhinhos brilhavam. Eu ri. Mensagem de texto, sei. Isso está mais pra mensagem cósmica. (n/a: Mentalizei. [#PaiGalo] huahauhua. )

-Que bom, tia. Finalmente! - eu falei.

Alice saiu saltitante do quarto e Rachel me olhou confusa.

-Quando ela disse “baby”, ela estava se referindo ao seu carro que está chegando de Nova York hoje. - expliquei.

-Ah... Entendi. Bom Ness, eu tenho que ir agora, combinei com as meninas. Nós vamos fazer uma festa do pijama na casa da Leah para relembrar os velhos tempos. Não é o máximo?!

-Claro. - eu falei sem muita convicção. Eu não tinha muita experiência com esse tipo de coisa, pois minha ‘peculiaridade’ sempre me deixava insegura e eu não conseguia construir laços de amizade com que não fosse da minha família.

-Você gostaria de ir? - Rachel perguntou de súbito.

-Ir aonde?

-À nossa festa do pijama, oras.

-Ah... Não Rach, nada a ver. Você disse que vão fazer isso para relembrar os velhos tempos, entre amigas. Não faz sentido eu ir.

-Não faz doce, Ness. Por favor, você é minha nova amiga. Vamos? Por favor? - ela pediu olhando em meus olhos.

-Quer saber? Eu vou! Isso é, se as suas amigas não se importarem, é claro.

-Hahahaha. Se importar. A Lee e a Kim vão adorar você. Ai, vai ser tão divertido!

Eu sorri para ela. Aquilo realmente era empolgante, pois em toda a minha vida eu havia participado de umas, sei lá, quinhentas festas do pijama, mas, todas elas com Alice, Rosalie ou então Tanya, Kate e Irina - amigas da família, que eram como se fossem minhas tias, pois me mimavam e gostavam muito de mim. Elas moravam na Alasca e eram absurdamente lindas e jovens, eram também muito pálidas e frias (de temperatura, não de sentimento), mas isso se devia ao fato de morarem no Alasca, dã.

A única vez que eu fui dormir na casa de meninas que não eram familiares foi na sétima série, mas não deu muito certo porque eu ainda não sabia controlar muito bem o meu dom e aí eu tive que ficar afastada delas o tempo todo.

-Então vai arrumar as suas coisas, menina! - Rachel falou. - Daqui a pouco o Paul vem me buscar, ou melhor, nos buscar. Nós vamos à locadora escolher uns filmes e depois ao supermercado comprar algumas besteiras para comermos.

-Tudo bem... Que roupas eu levo?

-Ah... Leva uma roupa para vestir amanhã, pijamas e sua escova de dente.

-OK, eu só preciso avisar a minha avó.

-Tudo bem.

Desci as escadas e falei com Esme e Carlisle. Alice havia ido buscar o Porsche, mas eu nem precisava avisar para ela, pois com certeza ela havia ficado sabendo da festa antes mesmo de mim. Meus avós ficaram muito felizes, pois eu estava em Forks há três dias e já estava fazendo amigos. Isso com certeza estava além de qualquer expectativa mirabolante que eles pudessem ter.

Arrumei minhas coisas enquanto Rachel tagarelava sobre o quanto estava feliz com a nova campanha. O namorado dela chegou um pouco depois de termos descido e... Caramba, ele era muito grande! Grande do tipo alto e forte. Ele me cumprimentou e eu me assustei quando a sua mão tocou a minha. Ele estava ardendo em febre, essa era a única explicação para aquela temperatura abrasadora.

-Ah... Paul? Você está bem? Está com febre. - eu falei preocupada.

-Oh, não se preocupe Nessie. - Rachel disse. - A maioria das pessoas daqui tem essa temperatura. É que nós somos acostumados com muito frio, e quando raramente faz calor nossos corpos reagem.

-Você não é nem um pouquinho quente como ele. - acusei - Isso não é normal!

-Hei, Nessie, relaxa OK? - Paul falou rindo. - É sério, isso é normal.

Eu os olhei desconfiada, mas achei melhor não discutir. Se eles não estavam preocupados é porque não devia ser grave, não é?

Paul nos levou de carro (um Rabbit super charmoso e bem conservado) até uma casinha de madeira amarela. Eu fui calada durante todo o percurso até lá, pois estava me sentindo desconfortável. Não que os dois não fossem legais comigo, muito pelo contrário, eles eram ótimos. Mas a forma como Paul olhava para Rachel era tão... Venerativa, que chegava a doer.

Eles se despediram com um beijo daqueles, enquanto eu olhava para a porta da casa implorando para que alguém aparecesse e me tirasse daquela situação.

Bom, parece que quando você deseja algo com todas as suas forças, o negócio acaba acontecendo, pois de repente a porta se abriu e de lá saíram duas garotas: Uma alta e com cabelos bem curtos e a outra, que deveria ter mais ou menos a minha altura, tinha os cabelos compridos, negros e tão lisos quanto os de Rachel. Saiu de lá, também, um garoto. Ele era muito bonito e também era grande, não tanto quanto Paul, mas ainda assim, era bem grande.

Paul e Rachel finalmente se separaram e ela me olhou como quem se desculpava. Eu sorri para ela e ela sorriu de volta.

-Nessie - ela falou - Essas são Leah e Kim. - apontou para as duas garotas. - Leah, Kim, essa é Renesmee Cullen, minha nova amiga. - apontou para mim.          

-Olá Renesmee. - as duas falaram ao mesmo tempo, sorrindo.

-Oi. - eu disse envergonhada.

-Ah, deixa eu te apresentar. - a garota de cabelos curtos, Leah, falou. - Esse aqui é o Seth, meu irmão mais novo. - disse indicando o garoto que estava atrás dela e tinha um sorriso tímido.

-Oi, Seth. - eu falei sorrindo e tentando parecer simpática.

-Oi, Renesmee. - ele disse, sorrindo também.

-É um prazer conhecer todos vocês. - falei. - Ah... Podem me chamar de Nessie porque ‘Renesmee’ é muito grande.

-Meninas, a Nessie vai dormir aqui conosco hoje. - Rachel falou.

-Se não se importarem, é claro. - completei.

-É claro que não nos importamos Nessie. - Kim disse sorrindo.

-Vai ser bem mais legal. - Leah falou. - Sabe, quanto mais gente, mais farra.

-Meninas, eu sei que vocês querem se conhecer melhor e tal, mas daqui a pouco o Jacob chega da ron... - Seth foi interrompido por um olhar de alerta da parte de Paul e Leah, mas continuou: - Daqui a pouco ele chega do rolé dele. - Eu ri disso, ‘rolé’ era uma gíria dos anos setenta. Definitivamente o Seth precisava atualizar o seu vocabulário - E eu e o Paul precisamos falar com ele. Então, vocês não querem ir logo escolher esse filme para poder liberar o Paul?

Nós fomos à locadora de Forks e alugamos algumas comédias românticas típicas de festa do pijama, depois fomos ao supermercado comprar ingredientes para uma pizza. Quando chegamos de volta à casa da Leah, o sol já estava se pondo.

-E aí Ness, o que você achou de La Push? - Leah perguntou enquanto levávamos as compras para a cozinha.

-Eu adorei, achei o lugar incrível. Eu não sou acostumada com muito verde, sabe, mas eu amo a natureza. - respondi.

-E as praias? Você gostou da First Beach? - Kim perguntou.

-Na verdade eu ainda não conheço a First Beach.

-O quê?! - As três perguntaram juntas.

-É que eu ainda não tive a oportunidade de ir, quero dizer, tinha tanta coisa pra arrumar. - respondi meio sem graça com os olhares incrédulos.

-Mas então nós temos que te levar até lá. - Rachel disse.

-Tudo bem, nós podemos ir amanhã se vocês não estiverem ocupadas e...

-Não. - Leah me interrompeu. - Nós vamos agora.

-Agora? - perguntei, Leah confirmou com a cabeça. - Mas o sol já está se pondo e daqui a pouco vai estar escuro. - argumentei.

-Oh, Nessie, por favor. É nessa hora do dia que a praia fica ainda mais bonita, além do mais, os garotos devem estar lá e eu preciso muito falar com eles. - Leah disse.

-Vamos Nessie? Por favor? - Rachel pediu dando uns pulinhos.

-Tudo bem então suas doidas. Vamos lá. - eu falei.

[...]

A First Beach era simplesmente MA-RA-VI-LHO-SA! Era uma das paisagens mais lindas que eu já tinha visto em toda a minha vida, e olha que eu já tinha viajado para muitos lugares do mundo. O sol já havia se posto há um tempinho e agora o céu exibia aquela coloração rosa alaranjada.

-O que você achou? - perguntou Kim.

-Eu... Eu não tenho palavras para descrever. - respondi.

-É, esse lugar é realmente mágico. - Rachel disse pensativa.

Caminhamos um pouco e avistamos um grupo de homens sentados na areia, olhando para o mar. Eles estavam... OMG, estavam sem camisa! Exibindo seus corpos maravilhosos e esculturais e... Acho que vou sofrer um infarto a qualquer momento.

Dois deles se levantaram de lá, vindo até nós com sorrisos enormes. Um deles eu reconheci: Paul. Eles pegaram Rachel e Kim de um jeito que eu fiquei até com vergonha. Quando eles finalmente se soltaram, Kim apresentou:

-Nessie, esse aqui é o Jared, meu namorado.

O cara sorriu e apertou minha mão. E adivinhem? Ele também parecia estar commuita febre, mas dessa vez eu nem falei nada. Fomos até os outros e Leah fez as apresentações.

-Nessie, esses são Quil, Colin, Brady, meu irmão Seth, que você já conhece, Sam e Embry. - ela disse me apontando cada um. Esse último, Embry, fez questão de levantar-se do chão, beijar a minha mão e depois dar um beijinho em meu rosto. Leah revirou os olhos e finalizou: - Pessoal, essa é Renesmee Cullen. Ela mora em Nova York e veio passar as férias aqui com os avós.

Todos sorriram para mim e eu sorri de volta, deslumbrada. Céus, quanto homem bonito nesse lugar! Isso aqui é o paraíso!

Sentamo-nos junto com eles e nos lançamos em uma animada conversa sobre Nova York e o Empire State. Estávamos nos divertindo muito e o meu celular começou a tocar bem quando eu estava finalizando minha piada sobre o Taj Mahal. Isso é que é ser salva pelo gongo! - pensei. Eu era uma péssima piadista. Levantei rapidamente e olhei o visor: Alice.

-Oi dinda. - atendi sorrindo.

-Oi Nessie. Onde você está querida? - Alice perguntou.

-Como se você não soubesse. - falei rindo. É claro que ela sabia. Alice via tudo, se é que vocês me entendem.

-O pior é que eu não sei mesmo minha flor. - ela disse e abaixou o tom de voz para um sussurro: - Eu não consigo ver!

-Como? - perguntei confusa.

-Eu não sei querida, eu não sei. Só sei que isso é muito estranho e é por isso que eu liguei. Eu quero que você se cuide, OK?

-Tudo bem, pode deixar. - falei sorrindo novamente.

-Então tá, beijo, te amo e tchau.

-Tchau dinda, beijo.

Desliguei o telefone e comecei a caminhar de volta em direção a eles.

Eu andava olhando para o chão e quando ergui minha cabeça, eu o vi pela primeira vez.

Ele, diferente dos outros, estava de camisa (n/a: Aaaaah... que sem graça. Sacanagem meo!), vestia uma bermuda jeans e tinha os cabelos negros curtos e desgrenhados. Ele era ainda maior do que os outros, traduzindo: Enorme. Alto, ombros largos, músculos extremamente definidos e, mesmo por cima da camisa, era possível ver que a palavra “tanquinho” era humilde demais para definir aquele abdome.

Subi meus olhos para o seu rosto e vi que, definitivamente, ele era o homem mais lindo que eu já tinha visto em toda a minha vida. Um nariz perfeito, lábios carnudos, maçãs do rosto bem salientes e olhos, ah aqueles olhos... Uma sensação de dèja-vú me pegou quando encontrei o seu olhar, eu já tinha visto seus olhos em algum lugar, mas não sabia dizer onde. Perdi-me naquela imensidão negra.

No momento em que nossos olhares se encontraram, ele abriu ligeiramente a boca e ficou me olhando com uma expressão até meio engraçada. Se passaram milhões de emoções diferentes pelo seu rosto, a maioria indecifrável, mas no fim das contas, ele ficou com uma expressão meio abobada e me olhava com tanta ternura que eu tive vontade de correr para seus braços enormes e beijar sua boca.

Percebi, pela visão periférica, que todos nos observavam. Corei violentamente. Vi que Rachel exibia um sorriso de orelha a orelha, ela parecia muito feliz com algo, eu só não sabia dizer com o que, pois meus olhos se recusavam a ficar muito tempo longe dos olhos dele.

Passou um bom tempo e todos ainda estavam da mesma forma: Ele ainda me olhava daquele jeito, com muito carinho e ternura, os outros ainda assistiam à cena como se estivesse vendo uma abdução alienígena e eu... Bom, eu estava confusa. Isso mesmo, confusa e envergonhada. Confusa porque eu não entendia como alguém que nem me conhecia podia me olhar como se eu fosse a coisa mais importante e maravilhosa do mundo, e envergonhada porque tinha um monte de gente presenciando aquela cena que, estranhamente, me parecia pessoal demais,íntima demais.

Acho que Rachel percebeu o meu desconforto, pois veio até mim e, finalmente, resolveu tomar uma atitude:

-Nessie, esse garoto com cara de idiota aí na sua frente é o meu irmão Jacob Black. - então aquele era o irmão mais novo da Rachel? O Galinha? Nossa, por essa eu não esperava. Primeiro que ele era o maior de todos os homens que estavam na praia e por isso ele definitivamente não parecia ser o irmão caçuladaquela garota magrela, vulgo: Rachel. E segundo: Mas que droga! Eu tinha acabado de ter uma experiência quase que espiritual aqui, e agora a garota simplesmente vem e me diz que é irmã dele, ou seja, era dele que ela estava falando quando disse: “O meu irmão é um dos caras mais safados de La Push”.Que droga!

-Jacob - Rachel chamou, mas ele não respondeu, ainda estava em transe.  - JACOB BLACK! - É, acho que agora ele acordou. Desviou seus olhos de mim apenas por um breve instante, olhou para Rachel de um jeito assustador, depois voltou a me olhar maravilhado. - Jake. - Rachel tentou novamente, agora ele parecia estar ouvindo. - Essa aqui é Renesmee Cullen, minha mais nova amiga.

Ele olhou no fundo dos meus olhos, abriu um sorriso no melhor estilo “oi, tenho trinta e dois dentes” e eu senti minhas pernas vacilarem. Ele estendeu a mão para mim e eu demorei uns 5 segundos para perceber que ele estava tentando me cumprimentar. Os garotos riram e eu, se é que era possível no momento, fiquei ainda mais vermelha. No momento em que a minha mão tocou a dele, eu senti como se uma corrente elétrica estivesse passando dele para mim e tive medo de não conseguir me controlar e mostrar a ele o que eu estava pensando, mas graças a muito treino e anos de prática, isso não aconteceu.

-É um prazer conhecê-la Renesmee. - eu me derreti com a forma como sua voz rouca e sexy acariciou o meu nome.

-Nessie. - sussurrei, pois não conseguia encontrar minha voz.

-Ham?

Pigarreei para desobstruir minhas cordas vocais e tentei novamente:

-Nessie. - agora a minha voz saiu. - Me chame de Nessie, e o prazer é meu em conhecê-lo. - O prazer é todo meu, querido! (66’)

-Nessie? Não tem muito haver com Renesmee. - ele disse confuso.

-É, eu sei, longa história. É que quando eu era pequena os meus tios diziam que eu era uma monstrinha de tão serelepe, então ficou ‘Nessie’ por causa do monstro do lago, sabe? Minha mãe detestou a ideia, mas depois acabou se apegando ao apelido também. - quando percebi que estava tagarelando, fechei a boca rapidamente.

-Com certeza você era a monstrinha mais linda do mundo. - ele disse me olhando intensamente.

Minhas bochechas pegaram fogo, os nossos ‘expectadores’ gargalharam. É, agora ele estava fazendo jus à sua fama. Nem nos conhecíamos direito e ele já estava me cantando. Uau, esse aí não perde tempo.

Antes que eu pudesse falar qualquer coisa, ele inspirou profundamente, fez uma careta, abaixou a cabeça e murmurou algo como “mas que inferno”. Não entendi o porquê daquilo.

De repente eu vi uma garota loira vindo em nossa direção. Ela era alta, magra, tinha cabelos lisos na altura dos ombros, um quadril largo e seios pequenos (bem menores do que os meus). Ela era linda, porém, exalava promiscuidade. Suas roupas eram extremamente vulgares: Uma minissaia tão curta que mais parecia um cinto e mal servia para cobrir a sua bunda e uma blusa muito colada, com um decote exagerado no qual eu, sinceramente, não via fundamento nenhum já que ela não tinha muita coisa para mostrar (#prontofalei).

Meu sangue ferveu quando eu a vi se pendurar no pescoço de Jacob e sussurrar alguma coisa em seu ouvido. Eu não sei por que, mas fiquei com muita raiva daquela vadia. Jacob parecia extremamente sem graça, ele ergueu a cabeça, deu um sorriso xoxo para a garota e voltou a olhar para seus pés. Mas ele não ficou cabisbaixo por muito tempo, pois parecia incapaz de desviar seus olhos de mim por mais do que alguns segundos, então, lá estava ele me olhando novamente.

A vadia seguiu seu olhar e quando me viu, ficou me encarando. Eu a encarei de volta. O clima estava tenso, todos observavam a cena em silêncio e finalmente a garota se pronunciou:

-Jake. - Ela falou, ou melhor, ronronou o nome dele. - Quem é essa aí? - ela perguntou olhando para mim.

“Como se ela não soubesse”. Ouvi Kim murmurando atrás de mim.

-Essa é Renesmee Cullen, amiga da Rachel. - Jacob falou olhando para a garota com... Raiva? Hahahaha, toma vadia! - Nessie, essa é a Stacey.

Então aquela era a famosa Stacey? Estiquei minha mão para cumprimentá-la.

-É um prazer conhecê-la, Stacey. - falei. Vocês sabem né? Educação em primeiro lugar.

A garota ficou olhando para o meu braço estendido durante um tempo e quando eu percebi que ela não devolveria o cumprimento, abaixei a mão rapidamente. Ô garotinha mal educada!

-Renesmee? - ela perguntou em tom de desdém. - Nossa, seu nome é bem...Exótico. - falou debochadamente.

-Eu gosto desse nome! - Rachel se intrometeu para quebrar a tensão. - Acho super legal!

-Eu também gosto - Jacob falou me dando um sorriso que... Aiai o.O - Aliás, ‘gosto’ não, eu adoro. É o nome mais lindo que eu já vi. - disse me dando uma piscadela. A vadia se contorceu de raiva, rsrsrsrsrs... Renesmee 2x0 Vagaba.

-Lindo? Sério mesmo? - ela perguntou rindo. - Porque eu acho super esquisito.

Não me provoca garota! - pensei comigo. Ela merece uma resposta à altura.

-Na verdade, Stacey - falei com calma e naturalidade. - Eu amo o meu nome, ele é uma homenagem às minhas avós: duas grandes mulheres. Sabe, eu prezo muito a minha família, porque eles me deram uma educação excelente. Me ensinaram, por exemplo, que quando eu não gosto de uma pessoa, mas não tenho argumentos para justificar essa inimizade, eu devo apenas me manter calada, pois usar o nome de alguém que eu nem conheço direito para tentar humilhá-lo é, no mínimo, infantil. Infantil e muito, mas muito grosseiro mesmo. - finalizei sorrindo.

Todos nos observavam assustados. Jacob sorria para mim. A garota lhe deferiu um olhar mortal, e sabe o que ele fez? Apenas alargou seu sorriso.

-Ai, essa doeu. - Seth disse rindo.

-É verdade. - Jacob concordou. - Poderia ter ido dormir sem essa, não é, Stacey?

-O quê?! Ah, eu vou te mostrar uma coisa seu projeto de Barbie. - ela disse me encarando com ódio e eu percebi que ela queria muito pular no meu pescoço.

Jacob também percebeu. Ele se colocou na minha frente e disse para ela:

-Acho que já deu por hoje Stacey! Agora peça desculpas à Nessie.

-Você tá brincando comigo né?

-Não, eu não estou. - ele respondeu sério.

-Era só o que me faltava. - ela disse. Virou as costas e saiu pisando duro.

Jacob virou-se para mim e começou a falar.

-Desculpa por isso, Ness. É sério, acho que ela está de TPM.

-Tudo bem Jacob. - falei azeda. - Não é sua culpa o fato de que a sua namorada não gostou de mim.

-Ela não é minha namorada. - ele disse.

-Tudo bem, então, me deixa reformular a minha frase: Não é sua culpa o fato de que a sua “peguete” gostou de mim. - eu falei com indiferença.

-Nessie, eu... - Ele começou a falar.

-Jacob - eu o interrompi - Está tudo bem, é sério. - Falei olhando em seus olhos e ele ficou com aquela cara de bobo novamente. Um bobo que, cá entre nós, é lindo demais. Mas ele não precisava saber que eu achava isso não é? Quero dizer, ele não precisa de mais uma no seu fã clube.

-Então, vamos meninas? - Leah perguntou.

-NÃO! - Jacob protestou, eu olhei para ele intrigada. - Ah, é que a Nessie ainda nem viu a praia direito. Quer que eu te mostre Ness? Nós podemos dar uma volta. - ele disse esperançoso.

-Ah, sabe o que é Jacob? É que eu... - eu não posso ficar sozinha com você! - Bom, eu quero ir tomar um banho e ver um filme com as meninas. - eu disse e ele fez uma cara tão tristinha que eu fiquei com dó. - Mas, um outro dia quem sabe...

Ele sorriu, mas sem mostrar os dentes. Não gostei disso. Não que ele não ficasse bonito sorrindo daquele jeito, mas, quando ele sorria mostrando seus dentes branquinhos e perfeitos era simplesmente demais.

-Promete? - ele perguntou.

-Prometo. - respondi prontamente.

Dessa vez ele deu o meu sorriso, me pegou em um poderoso abraço de urso e sussurrou no meu ouvido:

-Eu vou cobrar hein! - dito isso, ele cheirou o meu cabelo e eu estremeci. Não de frio, é claro. Em um abraço com Jacob, acredite em mim, a última coisa que se pode sentir é frio. Ele é tão quente! Eu estremeci de... Bom, vocês podem imaginar né? Estamos falando de Jacob Black aqui, dá um desconto!

Afastei-me delicadamente dele, pois se eu continuasse em seu abraço acabaria fazendo besteira. (66’).

-Então... Até outro dia. - ele disse meio abobado.

-Até outro dia, Jake. - falei sorrindo.

Eu e as meninas nos despedimos dos outros e fomos para a casa da Leah. Comemos pizza, dançamos, assistimos filmes e até fizemos uma guerra de travesseiros. Eu me diverti horrores. Era incrível como eu conseguia me sentir bem quando estava com o pessoal da reserva, eu não me sentia deslocada quando estava com eles.

Já era alta madrugada quando decidimos ir dormir. Eu estava caindo de sono, mas quando Kim apagou a luz e o silêncio tomou conta do ambiente, meu sono sumiu. Eu não conseguia parar de pensar nele, na forma como ele me olhava, que me fazia sentir especial e única. Será que ele olhava assim para todas as garotas e é por isso que fazia tanto sucesso com o público feminino?

Mesmo com o jeito de olhar, as palavras carinhosas e a forma como ele me defendeu da galinha de macumba, eu não poderia me deixar levar. Eu não queria isso para mim de novo. A única vez que eu entreguei meu coração para alguém - Alex -, eu quebrei a cara.

Mas, espera aí... Entregar o coração? Onde eu estou com a cabeça? Eu troquei umas dez palavras com ele e já estou pensando na possibilidade de estar apaixonada? Se interna Renesmee!

Mas, por algum motivo que eu não sabia explicar - ou não queria enxergar, seus olhos negros não me saiam da cabeça. Comecei a lembrar de seu maravilhoso cheiro amadeirado, que senti quando o abracei, do seu calor, de seu rosto e corpo absolutamente perfeitos e finalmente adormeci. Acho que nem é necessário mencionar o fato de que ele foi o personagem principal do meu sonho.



           



Notas finais do capítulo

E aí? Gostaram? Acharam que poderia ser melhor? Odiaram? Qualquer opinião será bem vinda minhas queriadas leitoras, então COMENTEM, please?
Aaaaaaah, eu queria avisar também que tenho um P.O.V do Jake prontinho, mas só vou postar se tiver bastante reviews nesse capítulo, caso contrário, eu continuo só com a narrativa da Ness
Geente... Por último, mas não menos importante: Eu não sei se vou poder continuar postando semanalmente, é que estou com uns probleminhas pessoais bem complicados. =S
Beeeijos e até a próxima..