Caminho do Ninja Amador (nível II): missão 06. Meta 06: verbos (VI): transitividade verbal
Postado por Ana Coelho


Olá a todos!

*Lady Salieri se intrometendo na aula: Gente linda, estamos inaugurando uma outra nova era nas aulas de PT. Agora quem segue o caminho junto comigo é a mestre ninja altamente suprema Ana Coelho-sama, vulgo deusa da gramática (verdade verdadeira, sério mesmo) que irá nos auxiliar pelos territórios inóspitos da nossa língua portuguesa, *se ajoelha e reverencia. Eu não sou lá muito boa na gramática, não, mas da Ana vocês não precisam duvidar, juro! Podem seguir de olhos vendados! A faculdade que ela cursa é só sobre isso, além do fato de ela ser uma pessoa iluminada pelos deuses e tudo e tal. Além disso, como ela vai dizer, mas eu quero dizer também, estamos em um projeto inovador, nunca antes visto na história da língua portuguesa no Nyah, de integrar Portugal e Brasil numa linda comunidade de pessoas saltitantes. Digam amém, e sigam com ela. Eu colocando gente sempre tão capacitada, daqui a pouco perderei meu emprego.

***

Vocês ainda não me conhecem, mas o meu nome é Ana Luísa, prazer!

A partir de agora, estou encarregada, juntamente com a Salieri, de vos trazer as aulas de português aqui ao Nyah.

Antes de mais nada, tenho um novidade: agora as aulas terão indicações em português de Portugal também!


Não se preocupem, a base não vai mudar nem vão ser direcionadas a portugueses. Tudo ficará como antes, só que, juntamente com as definições gramaticais do Brasil, eu acrescentarei as de Portugal também, e umas regras diferentes para as pequenas coisas que mudam. O número de portugueses tem aumentado no site, há portugueses até na Liga dos Betas, e assim as aulas tornar-se-ão úteis para um maior número de pessoas. Com isto esperamos também mostrar a toda a gente como estes dois portugueses são bem semelhantes entre si e que ninguém deve temer explorar essas mínimas diferenças.

Mas agora vamos para a matéria de ordem do dia, para a última aula de verbos!

 

Caminho do Ninja Amador (nível II): missão 06. Meta 06: verbos (VI):
Transitividade Verbal


Nesta missão, ultrapassaremos quatro obstáculos:

  1. Primeiro, vamos ver o que é a transitividade verbal;
  2. Depois vamos entender os verbos transitivos;
  3. A seguir, vamos perceber o que são os verbos intransitivos;
  4. No final, vamos compreender que a transitividade de alguns verbos muda consoante o seu significado, havendo alguns que são intransitivos e transitivos.


Prontos? Vamos lá!

 

1. O que é a transitividade verbal?

 


Mas... o que é isso?

A transitividade dos verbos refere-se ao seu sentido. Se o sentido do verbo tiver de recair em algum objeto para que ele faça sentido, ele será transitivo. Se o verbo fizer sentido e criar frases completas sozinho, então ele é intransitivo.

Espera ai! O que é um "objeto"? É uma coisa?
 

Bom, é e não é. Um "objeto" é aquilo a que um verbo se refere, podendo ser uma coisa, um animal ou uma pessoa.

Por exemplo, vejamos o verbo "gostar". Quem gosta, tem de gostar de alguma coisa, não é? Então essa coisa (que pode ser o que essa pessoa quiser, óbvio) será o objeto do verbo. Ele irá completar o seu significado, irá indicar informações que, quando não estão presentes, resultam na criação de frases sem sentido.

Mas, para te explicar melhor o que é um objeto, ajuda se te explicar o que é um verbo transitivo ao mesmo tempo, porque um não existe sem o outro.



2. Verbos Transitivos


Os transitivos são aqueles verbos que precisam de alguma informação que complete o seu significado para que eles façam sentido. Como o nome indica ("transitivos"), a ação destes verbos vai transitar (passar) para algum objeto, e este objeto tem de estar claro na frase.


Sabes quando estás a ler uma frase e ela te parece incompleta? Isso, normalmente, deve-se à falta de complementos dos verbos transitivos.


Por exemplo, e indo buscar o verbo de há bocadinho, quando alguém gosta, essa pessoa tem de gostar de alguma coisa. Quando alguém necessita, essa pessoa necessita de alguma coisa. Estes verbos são os transitivos. Eles fazem-te perguntar "gosta do quê?" e "necessita do quê?" porque, sozinhos, não têm um sentido completo.


E isso é importante? Por quê? Vai ajudar-me a escrever melhor?


Bom, saber que os verbos precisam de determinados complementos vai ajudar-te a criar frases coerentes e com sentidos completos. Também te vai ajudar a dizer claramente aquilo que queres e a evitar que deixes os teus leitores confusos.

Se eu disser "Eu necessito!", essa frase parece-vos fazer sentido? Sim? Não? A resposta, pelos exemplos que eu dei acima, pode até ser mais ou menos.

Vocês ficam a saber que eu tenho falta de alguma coisa, mas ficam sem saber que coisa é essa. Sem essa informação, apesar de o sentido do verbo ser claro (ter necessidade), a frase não está completa porque eu não vos passei os dados essenciais para que vocês compreendessem o que eu queria dizer. Afinal, eu necessito de quê?

Assim, e tendo isso em mente, os verbos transitivos também se classificam como diretos ou indiretos, de acordo com a forma como a ação transita para os seus objetos.


NO ENTANTO
, antes de mais nada, convém recordar que, dentro dos objetos, nós temos os diretos e os indiretos.


Os objetos diretos distinguem-se dos indiretos porque uns se ligam de forma direta e outros de forma indireta ao verbo. Sempre que for necessário usar uma preposição para ligar o objeto ao verbo, ele será indireto, pois terá uma "ponte" a ligá-lo ao verbo. Por causa disso, a ligação é feita "indiretamente" entre os dois. Para recordares as preposições, deixo aqui uma lista com as principais:

a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás


Quando não tiveres uma preposição, a ligação será feita diretamente entre verbo e objeto: assim, o objeto é direto.

Vamos lá falar desses verbos!  E vou dar-te exemplos, o que tornará tudo muito mais simples, vais ver!

TRANSITIVOS DIRETOS

Pela pista que o próprio nome nos dá, e pelo que aprendemos até aqui, podemos concluir que estes verbos pedem objetos diretos. Sem um objeto direto (conhecidos também como "complementos diretos" ou "complementos objetos diretos" em Portugal), o verbo não faz sentido.

São exemplos de transitivos diretos os verbos comprar, causar, ler, ou o lavar. Se quiseres saber se um verbo também faz parte desta lista, basta que o uses numa frase só com o sujeito (a pessoa que pratica a ação) e vejas se faz ou não sentido.

"Ela lavou."

...
Mas ela lavou o quê?

Quando esta pergunta sobre o verbo surgir, é porque o verbo precisa de um objeto direto. Sem ele, a frase não passa uma mensagem completa e o ouvinte (ou o leitor) ficará com a sensação de não estar a compreender bem aquilo que é dito. Isso acontece pois a frase tem em falta algumas informações que têm de acompanhar o verbo. Vamos completar os outros exemplos, então, e com pessoas e tempos diferentes:


Vós causastes... o quê? Vós causastes uma revolução.
Nós leremos... o quê? Nós leremos um livro.
Ele compraria... o quê? Ele compraria um bolo.

É assim tão simples! Então, vamos avançar.

TRANSITIVOS INDIRETOS

Tendo já aprendido o que era um transitivo direto, acho que já todos percebemos o que é um transitivo indireto: estes verbos só ficam completos com um objeto indireto na frase (conhecidos como "complementos indiretos" ou "complementos objetos indiretos" em Portugal).

As preposições são essas palavras que estabelecem ligações de sentido. Fica aqui um quadro rápido para recordarem as principais:

a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre, trás

Assim, se a pergunta que fizerem ao verbo não for "o quê?" mas "a quem?" ou "em quê?" ou "de quê?", para dar alguns exemplos, então o verbo será transitivo indireto, já que pedirá um objeto indireto.

São exemplos os verbos gostar (de quê?), acreditar (em quê?), depender (de quê?), obedecer (a quê?).

Para ficarem claros, têm de ter determinados complementos. Vamos ver frases completas com esses verbos:


Eu gosto. Mas de quê ou de quem? Eu gosto de chocolate.
Ele acredita. Mas em quê ou em quem? Ele acredita em mim.
Ela depende. Mas de quê ou de quem? Ela depende dos pais.
Nós obedecemos. Mas a quê ou a quem? Nós obedecemos às regras gramaticais.


Assim, tendo isso em conta, quando alguém diz algo como "Vi aquele filme que eu gosto.", essa frase está errada. O correto é "Vi aquele filme de que eu gosto."

Então, pessoal, se já sabemos que um transitivo direto é um verbo que precisa de um objeto direto e que um transitivo indireto é um verbo que precisa de um objeto indireto, então um verbo transitivo direto e indireto é um verbo que precisa dos dois objetos. Faz sentido, não é?

Vou dar-vos um exemplo:

O Pedro ofereceu.

As perguntas que surgem, desta vez, são duas: ofereceu o quê? E a quem?

Quando os verbos pedem os dois tipos de objeto, então são transitivos diretos e indiretos.

Vejamos mais exemplos:

O João entrega o quê e a quem? O João entrega o presente à mãe.
A Maria cedeu o quê e a quem? A Maria cedeu-nos o seu lugar.

Como podem ver, é bem simples!

Vamos agora ver o que são os verbos intransitivos (mas acho que agora também já é bem fácil de adivinhar só pelo nome, não é?)
 

3. Verbos Intransitivos


Se os verbos transitivos são aqueles cujo significado transita para um objeto, os verbos intransitivos são aqueles cujo significado não transita para nada.

Ao criarmos uma frase com um verbo intransitivo e sem objetos, não haverá problemas para quem tentar entendê-la, porque o sentido do verbo estará bem claro mesmo assim.

São alguns exemplos os verbos cair, adormecer, viver, acordar, explodir, custar, morar, etc.

Se eu disser "O Ricardo caiu.", vocês vão entender perfeitamente o que a frase quer dizer. Se, em vez disso, dissermos "O Ricardo adormeceu.", a frase também estará clara.

Vamos completar os outros exemplos:


Nós todos vivemos.
Eles acordaram.
A bomba explodiu.


Bem simples, não é?



4. Verbos Transitivos e Intransitivos



Prontinho. Agora que já sabemos o que é um verbo transitivo e o que é um verbo intransitivo, vamos perceber que um verbo, às vezes, pode mudar de categoria.


Vejamos o verbo partir.

Ele partiu.
Ele partiu o prato.
Ele partiu o coração à amiga.


Nestes três exemplos, o verbo adquire significados diferentes e a sua transitividade altera-se.

No primeiro exemplo, o verbo tem o significado de "ir embora" e é intransitivo. Ninguém vai perguntar "o quê?" ou "a quê?", a frase está bem clara assim.

No segundo caso, o verbo tem o significado de "quebrar". E aí é natural que se pergunte "Mas ele partiu o quê?" Por causa disto, o verbo é transitivo direto.

No terceiro caso, o verbo tem o significado de "destroçar". E aí pergunta-se "Destroçou o quê?" e "Destroçou a quem?" para que a mensagem fique completa. Com a primeira pergunta, percebemos que o verbo é transitivo direto. Com a segunda pergunta, percebemos que o verbo é também transitivo indireto (aquele "a quem" tem a preposição "a").

Portanto, como veem, um verbo pode variar e têm de estar atentos e têm de lhe fazer certas perguntas para saberem se é preciso usar uma preposição ou não, e para saberem se a frase tem as informações todas para que faça sentido.

Vamos lá recordar!


Os verbos dividem-se em:


Transitivos Diretos  Transitivos Indiretos Transitivos Diretos e Indiretos Intransitivos Transitivos e Intransitivos
Pedem sempre objetos diretos, que se obtêm quando se pergunta "o quê?" ou "quem" ao verbo. Pedem sempre objetos indiretos, que se obtêm quando a pergunta tem preposição  " quem?", "de quem?", etc. Pedem os dois objetos e, por isso, devemos fazer os dois tipos de perguntas (com e sem preposição). Não pedem objetos pois o seu sentido não transita para nenhum complemento. São os verbos que podem ter mais do que um significado e que, por isso, têm uma transitividade variável.
Ex: Ex: Ex: Ex: Ex:
Lavar,
Ler,
Causar,
Comprar.
Gostar,
Necessitar,
Acreditar,
Depender.
Oferecer,
Entregar,
Ceder,
Pedir.
Explodir,
Cair,
Adormecer,
Nascer.
Partir,
Guiar,
Regular,
Avariar.

 
Obrigada por me acompanharem até aqui na minha primeira aula. Espero poder juntar-me a vocês novamente e espero também ter-vos ajudado a entender este elemento tão importante para a clareza das vossas frases!

Boa escrita para todos!


Comentários

LovexD

23/07/2015 às 00:27



LovexD

23/07/2015 às 00:27



Luxúria Targaryen

01/04/2015 às 22:13

Obrigado por explicar melhor que as professoras, haha!



Lola Mellarkiss

07/11/2014 às 18:46

Nossa você explica muito bem. Muitos dizem que sou boa em português, sempre tiro notas altas e é bem difícil eu ter dúvidas ou dificuldade, mas essa matéria não conseguia entrar na minha cabeça, fiquei com aquela dúvida enorme e fiquei "boiando" nela. Agora eu já tirei minhas dúvidas e entendi tudo,obrigada pela explicação.



Kenta

14/10/2014 às 13:37

Bem-vinda! Eu vi sobre isso na escola faz um mês, e coincidentemente quando eu estava pensando nisso, vi esse post



Sakeria

01/09/2014 às 18:03

Amei! Bem vinda flor!



Analu

29/08/2014 às 09:35

Ótima explanação. Estou adorando a ideia de ter mais contato com o português de Portugal, já que amo a língua portuguesa e pretendo morar lá! Finalmente consegui entender esta matéria! Seja mais que bem-vinda!



Maria Fe Rodrigues

20/08/2014 às 13:53

Pena que vocês não fizeram essa explicação há dois anos. Passei um ano inteiro da minha vida com essa matéria sem entender nada (O que eu podia fazer, se a professora insistia em me confundir chamando objeto direto/indireto de roupa e ligação de acessório? '-' Nó na minha cabeça)

Adorei essa explicação! =D Obrigada



Barbarella

18/08/2014 às 21:30

Oi Ana, seja bem-vinda! Adorei sua postagem, você explica muito bem e de forma que todos podem entender se dedicarem um pouquinho de sua atenção. Mais uma coisa que eu, particularmente, adorei: como estudante de Letras, tenho um certo amor pela língua portuguesa, porém nunca, durante minha graduação, tive contato com a gramática do português de Portugal. Espero conhecer mais sobre ele a cada postagem sua e poder analisar as diferenças entre o pt-PT e o pt-BR (estou muito ansiosa *-*)! Beijos e tudo de bom!



Dreams

18/08/2014 às 18:53

Nossa muito boa sua explicação! Eu geralmente sou boa em português na escola, mas não conseguia aprender isso de jeito nenhum, mas graças a sua explicação eu entendi. Obrigado!