Caminho de todos os ninjas. Missão extraordinária e urgente: a redação do ENEM
Postado por Lady Salieri

Olá, meus queridos ninjas de todos os caminhos!

 

Depois de décadas, apareço aqui para iniciar com vocês mais uma missão extraordinária: a redação do ENEM. Sei que esse tipo de redação não tem nada a ver com o que escrevemos aqui no Nyah, mas sei que muitos usuários do nosso querido portal estão estudando desesperadamente para essa prova, então vamos treinar aqui como matar o inimigo da redação e chegar ao ENEM firme e forte, com todas as armas em punho. Avante, ninjas!

 

E agradeçam às forças superiores pela missão, em especial a tia Kori Hime, quem me pediu para dar esse treinamento extraordinário a vocês.

 

Agradeçam também à beta reader Holly Robin que tornou essa missão mais clara e objetiva.

 

 

 
Caminho de todos os ninjas. Missão extraordinária e urgente:
A redação do ENEM

 

 

Vou começar falando um pouco sobre as competências avaliadas pelo ENEM. Em seguida discutirei sobre como estruturar um texto que esteja de acordo com o que é pedido nesse exame. Por último, vou tentar dar umas dicas para vocês ficarem mais calmos.

 

1. O que o ENEM quer de mim?
 

 

Sendo bem direta na questão, o ENEM quer coisas muito simples de vocês, pequenos gafanhotos ninjas da escritura: saber se são capazes de sustentar uma tese com argumentos convincentes, de maneira coerente e coesa, e se são capazes de apresentar uma solução para o problema apresentado. É como eu sempre digo: não adianta criticar nada sem apresentar uma solução, não é verdade? O ENEM quer saber se vocês são seres críticos que, além de identificarem um problema, provarem por A mais B seu posicionamento sobre ele, podem também propor uma solução para revertê-lo.

 

Então, o que vocês têm que ter na cabeça a todo momento?

 

Preciso mostrar a quem lerá minha redação que sou uma pessoa crítica, que sei mostrar meu posicionamento sobre um determinado assunto e, além disso, sei propor uma solução para o problema proposto.

 

Exato, meus caros ninjas! Não se esqueçam disso. Em momento nenhum. Sério.

 

Tendo esse objetivo em conta, os corretores do ENEM vão avaliar seu desempenho buscando cinco competências:

1. Domínio da norma padrão da língua escrita;

2. Compreensão da proposta e aplicação de conceitos de várias áreas, sem perder de vista a estrutura dissertativo-argumentativa;

3. Seleção e organização das informações, fatos e opiniões para defesa de um determinado ponto de vista;

4. Demonstração de conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação;

5. Elaboração de uma proposta de solução para o problema abordado, QUE RESPEITE OS DIREITOS HUMANOS.
 

 
MEU DEEEEEEEUS! O que significa tudo isso?! Estou frito, vou tirar zero, estou até vendo...

 

Calma, meu pequeno gafanhoto ninja do comentário. Vou explicar aqui o que significa cada competência. É fácil, vamos lá:
 

 

1. Domínio da norma padrão da língua escrita:

 

Significa que temos que escrever formalmente. Tchau, internetês, tchau miguxês, tchau bilhetinhos de porta de geladeira, cartinhas para o namorado e querido diário... Dominar a norma padrão significa não usar gírias ou regionalismos, não cortar as palavras, nem escrever frases fragmentadas com reticências e cinco pontos de interrogação. É ser direto, objetivo e claro. Aqui será avaliado se vocês sabem escrever as palavras com a ortografia correta, acentuá-las, pontuar suas frases, adequar os termos ao contexto, se vocês sabem separar sílabas, usar os verbos, etc.

 

E uma coisa super importante: SER FORMAL NÃO É SER REBUSCADO, pelo amor de meu Deus amado! Não. Se vocês querem dizer que a tia foi à feira, digam: "Minha tia foi à feira". Está claro, direto e obedece a todas as regras da norma padrão. Não digam: "A distinguida senhora irmã de minha mãe encaminhou-se ao estabelecimento comercial cujas transações são efetuadas ao ar livre", porque é chato, pedante, e não levantará seu conceito com os corretores, muito pelo contrário. Sem contar que, com o nervosismo, é muito mais fácil errar escrevendo uma zuera dessas que escrevendo uma frase curta, clara e limpa.
 

 

Ai, tia, mas ano passado teve um monte de provas com muitos erros ortográficos que ganharam notas altas...

 

 

É verdade. E um monte de gente reclamou. Por isso, esse ano eles vão ser muito mais rígidos nessa parte. Fiquem espertos.

 

Acreditem ou não, 90% dos alunos cujas redações corrijo diariamente perdem mais pontos nessa competência aqui. Dessa forma, se vocês escreverem as palavras direitinho, não esquecerem os acentos, já vão estar à frente de muitos. MUITOS.



 

2. Compreensão da proposta e aplicação de conceitos de várias áreas, sem perder de vista a estrutura dissertativo-argumentativa:

 

Os corretores, nessa parte, querem saber: seu texto está de acordo com a proposta? Você fez mesmo uma dissertação? Usou do conhecimento de outras disciplinas para defender seu ponto de vista?

 

Ou seja, aqui vai ser avaliado se vocês não fugiram do tema (ou tratou dele de maneira superficial) ou da estrutura (escreveram dissertação ou artigo de opinião, narração...?), assim como os argumentos utilizados, se foram argumentos consistentes ou aqueles previsíveis, típico de quem não tem o que falar.

 

Adivinhando os pensamentos de vocês, não se afobem, terminando de falar as competências, vou falar sobre o texto dissertativo-argumentativo.


 

3. Seleção e organização das informações, fatos e opiniões para defesa de um determinado ponto de vista:

 

Essa competência tem a ver com a coerência do seu texto, pequenos gafanhotos ninjas da escritura candidatos ao ENEM (hehehe...). Isso quer dizer que, neste ponto, será avaliado a relação entre as frases - se o que vocês escreveram faz sentido, tem lógica, se o texto não fica dando voltas (ou seja, vão avaliar se o texto progride ou não). Será avaliado ainda se as palavras têm a ver com o contexto, se vocês apresentam o ponto de vista de maneira clara, etc.

 

E aqui não tem como não falar dos camaradas que escreveram trecho do hino do Palmeiras e a famosa receita de miojo...

 

Pois é, meus ninjas, neste ano, redações que apresentem pérolas como essa, vão levar zero, de uma vez, sem choro nem vela. Então, de novo, fiquem espertos. Isso foi decretado pelo próprio MEC. É...


 

4. Demonstração de conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação:

 

Se a competência 3 tem a ver com a coerência, ou seja, com a organização dos argumentos, a competência 4 tem a ver com a coesão, ou seja, as relações entre as ideias do texto. Seu texto é coeso? Vocês fazem uso das preposições, conjunções, pronomes? Vocês fazem as concordâncias necessárias de maneira adequada? Suas frases são bem articuladas, ou seja, não são curtas, cheias de pontos? Vocês evitam as repetições de termos? Tudo isso será avaliado.
 

 

5. Elaboração de uma proposta de solução para o problema abordado, QUE RESPEITE OS DIREITOS HUMANOS:

 

Como eu disse mais acima, não adianta falar sem apresentar uma solução, e no ENEM essa solução não é opcional, mas obrigatória. E não pode ser qualquer solução, tem que ser algo que possa ser executado. Não adianta ficar falando que o governo tem que fazer A ou B, se for algo totalmente fora da realidade.

 

E uma coisa super importante: vocês viram que eu coloquei em maiúscula que a proposta de solução tem de respeitar os direitos humanos, certo? "Ah, uma solução para acabar com a fome na África é jogar uma bomba lá": ZERO. "Deveriam botar fogo nos homossexuais": ZERO. Sem choro nem vela, como já disse. Sua redação pode ser a mais linda de todo o ENEM, mas se suas conclusões não respeitarem os direitos humanos, não tem o que a salve...

 

Mais tranquilos com as competências? Avancemos, então.

 
 
2. O texto dissertativo argumentativo

 

 

O portal Universia (disponível em: http://noticias.universia.com.br/atualidade/noticia/2012/07/31/955255/saiba-e-texto-
dissertativo-argumentativo-cobrado-na-redaco-do-enem.html
) tem uma excelente definição, a saber:

 

Um texto dissertativo-argumentativo é um texto opinativo que se organiza na defesa de um ponto de vista sobre determinado assunto. A opinião do autor é fundamentada com explicações e argumentos tendo como objetivo formar a opinião do leitor ou ouvinte e tentar convencê-lo de que a ideia defendida é correta. Para isso, é preciso expor e explicar ideias.

 

É dessa mistura que vem a sua natureza: o texto é argumentativo porque defende uma tese e é dissertativo porque é necessário o uso de uma série de explicações que a justifiquem.

 

O objetivo de quem produz esse tipo de texto, no caso você, é, em última análise, convencer o leitor - ou pelo menos tentar -, mediante a apresentação de razões, por meio da evidência de provas e contando com um raciocínio coerente e consistente.

 

 

É o que eu disse inicialmente: não tirem da cabeça que vocês têm um ponto de vista a ser provado com argumentos consistentes e uma solução a ser dada para o problema discutido.
 

 

Ahhh, legal... Mas o que eu faço com isso?

 

Certo, ninjas, já que surgiu a dúvida, vou colocar aqui a estrutura básica de um texto dissertativo-argumentativo e uma proposta de como estruturar o texto:

 

Introdução Apresente o tema a ser tratado, assim como os argumentos a serem desenvolvidos nos parágrafos seguintes. Isso irá preparar o avaliador para o porvir e mostrará o que ele deve esperar do seu texto.
Desenvolvimento Procure usar cada parágrafo para desenvolver cada argumento citado de maneira superficial na sua introdução. Procure citá-los, inclusive, na ordem que você usou, de forma a mostrar ao avaliador como seu texto progride.
Conclusão Faça uma rápida retomada dos argumentos usados no desenvolvimento, provando por A mais B seu ponto de vista (ou posicionamento), e apresente uma proposta concreta de solução para o problema.
 
 
3. Desvios mais recorrentes

 

 

1. Clichês:

 

Podem parar de começar as redações com: atualmente, nos dias de hoje, nos dias atuais. Sério, 8 de cada 10 redações começam assim e é triste você ler isso depois da trigésima alguma coisa. Que dirá, então, os corretores do ENEM que lerão mil redações por dia praticamente... Inventem outra maneira de começar seus textos, qualquer que seja.

 

2. "...desde os primórdios...":

 

Não queria provar seu ponto de vista situando as questões com "desde os primórdios", "desde a antiguidade" e similares, a não ser que seja comprovado cientificamente e você tenha esse dado em mãos (ou seja, no texto motivador). Quando vocês vêm com uma coisa dessas, a gente já sabe que vocês não sabem o que estão falando.

 

3. Mudança de pessoa:

 

Usem da 3a pessoa do singular para comporem seus textos, pequenos gafanhotos ninjas da escritura. E mantenham-na do começo ao fim. Não comecem com "Acredita-se que não há mais altruísmo na sociedade..." para depois, no meio do texto, "porque na sociedade em que vivemos..." Não façam isso. E tem uns que ainda se empolgam, começam com "acredita-se", passam para um "vivemos" e terminam com um "você tem que fazer o que te faz feliz". Ou seja, passou por todas as pessoas do discurso e perdeu um milhão de pontos.

 

4. Mudança de tempo verbal:

 

A pessoa começa falando no futuro, de repente, do nada, passa para o passado. Exemplo: "As crianças, sem o apoio dos pais, se tornarão adultos desequilibrados que não souberam dar valor às coisas". Oi?

 

5. Começar falando A, terminar falando B:

 

No blog da Liga, escrevi um pequeno artigo sobre como redigir um parágrafo. Ele está aqui. Nesse artigo, expliquei bem explicadinho que, assim como o texto, um parágrafo também tem começo, meio e fim, além de possuir uma ideia central. No caso da redação do ENEM, a sua ideia central é o seu argumento. Não desvie dele. Se você está falando que as redes sociais fazem com que as pessoas não saibam se comunicar pessoalmente, se fixe nessa ideia e a desenvolva. Não termine falando que as pessoas não sabem se comunicar pessoalmente porque os fonoaudiólogos não estão desenvolvendo bem seu trabalho. Não tem nada a ver com sua ideia.

 

6. Incluir assuntos novos no meio do texto ou, pior, no final dele:

 

Vamos supor que sua redação é sobre o tema "Há justiça no Brasil?" Aí vocês começam super lindos falando sobre como não há justiça, como as manifestações ocorridas recentemente evidenciam a falta de justiça para com a população que tem de recorrer à violência para garantir seus direitos. Daí, no último parágrafo, vocês começam falar do "jeitinho brasileiro" que não contribui para a justiça no Brasil, porque a população não pode cobrar justiça sendo que ela fura fila ou tira vantagem do colega. Por que vocês estão falando disso no final do texto? Ou vocês dão um jeito de falar no começo, para desenvolver mais adiante, ou não falam hora nenhuma. Não se empolguem no final e acrescentem coisas sobre as quais vocês não falaram. Isso não vai ajudar, muito pelo contrário.

 

7. Colocações inadequadas para o contexto:

 

Aqui são duas principais que me matam de ódio: o "mesmo" e o "tal".

 

Em primeiro lugar, dizer que: "As ruas estão cheias de manifestantes. Os mesmos pedem por justiça". Isso, além de ser uma coisa horrível, está errado. Gramaticalmente errado. Sem contar que conota uma preguiça tremenda de articular as ideias. Com isso, meus ninjas, vocês podem perder pontos tanto na competência 1, quanto na competência 4, porque, além de usarem uma estrutura que não está de acordo com a norma padrão, estão pecando na coesão das ideias. Em segundo lugar, isso me lembra de quando a gente está aprendendo um idioma e não sabe articular as frases. Aí sai umas pérolas tipo: "Meu irmão é bonito. Meu irmão é alto. Meu irmão é magro." Aí vocês pensam: nossa, mas repeti muito "meu irmão", tenho de trocar algum termo. E vem a brilhante ideia: "Meu irmão é bonito. O mesmo é alto. Meu irmão é magro." Sério: adiantou alguma coisa? Seu "texto" continuou feio e elementar. Nesse caso, substituam o mesmo por "ele" e suas flexões. A colocação fica correta e ninguém sai com os olhos sangrando.

 

Outra é o "tal": está gramaticalmente errado? Não. Mas ser gramaticalmente correto significa que é a melhor opção? Não! "A atitude de uma pessoa altruísta visa o bem alheio. Tal atitude...", esse "tal" tem conotação pejorativa, irônica. Fica parecendo que você está debochando, desdenhando, da atitude da pessoa que só está visando o bem alheio. Coisa feia...

 

Mas tem outras também, como: "efetuar atitudes"; "receber enfermidades"; "possuir sentimentos"; "fazer ações", etc.

 

8. Expressões coloquiais:

 

As mais usadas são o "acham", "não ligam" e "coisa". Simplesmente, apaguem essas palavras da cabeça de vocês. Substituam-nas por "acreditam", "não se importam" e "explique-sempre-a-coisa-de-que-vocês-estão-falando". Simples assim.


 

4. Dicas para realizar uma boa prova de redação do ENEM
 

 

Há muitas e muitas dicas que eu gostaria de dar, no entanto, pela inviabilidade do espaço, isso não é possível, por isso vou colocar aqui as que considero, pessoalmente (é importante dizê-lo), mais importantes e que não costumo ver por aí. Outras dicas super legais, vocês podem consultar no portal Terra, por meio do seguinte link: http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/dicas-enem-2013/ aqui tem dicas em todos os âmbitos, inclusive umas dicas de gramática, super úteis. Como disse antes, é nessa parte que o pessoal mais erra.

 

A) Antes de começar a escrever:

 

I. Particularmente, aconselho vocês a começarem a prova pela redação. Leiam cuidadosamente as propostas como se não existisse outra prova além dessa. Escrevam o rascunho e guardem. Façam a prova e, lá para o meio ou final dela, voltem a pegar a redação, releiam, consertem as bobagens e passem a limpo. Esse meio tempo é muito útil para vocês visualizarem erros que não veriam de imediato.

 

II. Antes de escreverem o texto, façam um esqueminha dos argumentos utilizados. Vamos supor que o tema seja "Há justiça no Brasil?" Daí vocês pensam: "meu ponto de vista é 'não creio que haja justiça no Brasil' porque 1. o Brasil é um país de desigualdades; 2. os políticos sempre agem em benefício próprio e contra a população; 3. os próprios brasileiros sempre estão tirando vantagem um dos outros... E a solução para isso seria a) aliar as políticas sociais à políticas voltadas para a criação de empregos (solução para meu argumento 1); b) haver palestras nos bairros para conscientizar o voto da população (solução argumento 2); c) uma educação formal (eu explico o que é) e informal (idem) que repudie os maus aspectos do 'jeitinho brasileiro' de maneira a sanar esse vício na população (solução para argumento 3)". Pronto, agora só transformar todo esse esquema em um texto bem articulado.

 

 

B) Escrevendo a redação:
 

I. Sejam simples, claros, objetivos e diretos: quanto mais claro e simples, melhor. Sempre digo que um bom exercício é vocês imaginarem que estão conversando com aquele priminho de seis anos que pergunta tudo. Se conseguirem escrever um texto, seja sobre o que for, de maneira que ele entenda o que está escrito, a redação de vocês será nota 10.
 

II. Não se empolguem escrevendo palavras e expressões "difíceis": optem sempre pelo mais simples, para evitar estruturas como "fornecer amor" (oi?); "cometer ações" (oi?); "obter bons sentimentos" (oi?), "possuir medo" (oi?), "ações filântropas" (wat?). Como já disse milhares de vezes, seguir a norma padrão da língua não significa ser rebuscado. Significa não usar gíria, nem internetês, muito menos "escrever como se fala". Teve dúvida sobre determinada construção? Arrisque aquela com a qual você está mais acostumado. A gente "ama", "pratica ações", "tem bons sentimentos" e "tem medo". Bem melhor, não é? E bem mais fácil.
 

III. Não escrevam frases muito longas: seu parágrafo de oito linhas é apenas uma frase? Trate de revisá-lo até ele se tornar pelo menos umas quatro sentenças, sério.
 

IV. Não escrevam parágrafos muito curtos: seu parágrafo tem duas linhas e duas frases? Isso pode ser melhorado, e muito! Ele pode virar umas quatro frases, se esforce.

 

 

Bom, meus queridos ninjas, é isso! Espero que o inimigo "redação do ENEM" esteja menos medonho agora!

 

Espero também que essas dicas possam ajudá-los a fazer uma prova melhor, se transformando em boas armas.

 

Boa sorte para todxs!

Lady Salieri e Letícia Silveira

 

♥♦♣♠

Material consultado:

Apostila Colégio Nacional Uberlândia


http://noticias.universia.com.br/atualidade/noticia/2012/07/31/955255/saiba-e-texto-dissertativo-argumentativo-cobrado-na-redaco-do-enem.html

http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/dicas-enem-2013/

http://guiadoestudante.abril.com.br/vestibular-enem/aprenda-fazer-redacao-enem-passo-passo-690497.shtml

http://www.brasilescola.com/gramatica/utilizar-mesmo-mesmo-correto.htm

http://www.enem.vestibulandoweb.com.br/dicas-redacao-enem.html

 



Comentários

AnnaGrandchamp007

01/12/2016 às 16:49

Falta bastante tempo até eu fazer o ENEM, mesmo assim, agradeço as dicas, já que adoro escrever, e sei que muita coisa que eu escrevo está mal desenvolvida, superficial, pouco argumentativa... Isso sem contar os erros gramaticais. Mas acho que sempre dá para melhorar! Obrigada!!!

PS: Espero conseguir me lembrar de tudo isso quando eu for fazer o ENEM, rs. Vai ajudar pra caramba.

 

 

 

 



Abby Taylor

01/11/2016 às 23:34

ajuda até hoje obrigada.



Mew Mew

12/02/2016 às 22:19

Ual, vai me ajudar muito no futuro! 



Raquel Alves

16/07/2015 às 12:57

Esse texto foi muito esclarecedor. Eu sou boa em redações, mas sempre tem o que melhorar. E é muito mais fácil escrever para a minha professora que conhece meu jeito de escrever do que para alguém que nunca leu algo meu.



30/05/2015 às 19:23

Também tem a questão do tema.

A redação do ENEM segue uma pauta onde obrigatoriamente será discutido problemas sociais, até porque esse é o objetivo dela: verificar e avaliar a opnião do candidato quanto a problemas da sociedade.

Logo, jamais será tradado no ENEM temas como crises de doenças ou política. Eles podem até aparecerem, mas indiretamente (no exemplo, o primeiro seria com relação à saúde pública, e o segundo, com relação às influências que acarretarão no futuro, como já aconteceu várias vezes: 2002, 2008, 2012 e 2013). Assim, não adianta, por exemplo, estudar como o Ebola age no corpo; basta saber como ele é transmitido, os sintomas e porquê leva à morte.

Outro tema descartado são memoriais. "Ariano Suassuna", "50 anos de Ditadura", WTF? O ENEM foca no futuro da sociedade, não no passado. Se forem citados, o que acho muito difícil, você não precisa saber a fundo deles e sim apenas o suficiente para sustentar-lhe frente à atualidade.

Religião e sexualidade também são outros descartáveis. Apesar de sociais e fortes, são muito fáceis de discutir e polêmicos, o que foge completamente do estilo do ENEM. O máximo do máximo, no caso, seria os conflitos na Síria e a homofobia, respectivamente.

Essa é minha opnião! ;)



Untitled blender

08/05/2015 às 22:42

a minha única tristeza em redações tipo ENEM é que sempre há um limite final no texto. eu escrevo tanto quanto falo, e sempre gosto de fechar o texto com "chave de ouro"... o problema é que além da minha letra não ser das mais pequenininhas, as minhas "chaves de ouro" geralmente são frases colossais perto do espaço que sobra no final da folha de rascunho. E, é claro, quando passo a limpo, ao invés de diminuir, o texto aumenta...



Arabella McGrath

25/01/2015 às 22:44

Vai demorar uns anos, mas vou ter que guardar essa aula. haha :D



karoll kanshikan

24/11/2014 às 18:07

Cara adorei!! Ri muito das pérolas que você citou, e compreendi melhor as competências exigidas no ENEM que minha professora de Língua Portuguesa esqueceu de explicar. Vai me ajudar muito nos futuros vestibulares da vida.



Ana Rajaram

09/11/2014 às 18:39

Eu não vou fazer o ENEM mas essas dicas me ajudaram muito porque o meu teste de Composição de Texto vai ser só redação e minha professora tira pontos por cada vírgula.



Aquamari

08/11/2014 às 23:38

Essas dicas vai me ajudar e muito na redação de amanhã, espero tirar uma nota melhor nesse ano por que no ano passado foi um fiasco... não gosto nem de lembrar kkkkkkkkkkkk