[ Comentários ]

Mais Além De A Usurpadora escrita por Kah


Capítulo 10
Capítulo 10 Encontro





Carlos Daniel vai ate Paulina, que ao vê-lo sorri, ele se abaixa e a abraça, beijando seu rosto, seus olhos, seus lábios.

– Carlos Daniel... – ela sussurra, seu corpo esta mole e ela mal consegue abrir os olhos.

– Meu amor, você esta queimando de febre.

Carlos Daniel olha as mãos e os pés de Paulina amarrados, ele olha triste para a esposa, que se esforça em manter os olhos abertos, e desamarra seus pés e mãos. Os pulsos de Paulina fica marcados pela corda, ela o abraça. Rodrigo e os policiais chegam em seguida.

– Carlos Daniel, - Rodrigo diz espantado olhando Fabrício no chão – o que você fez com ele?

– Eu só dei um soco nele Rodrigo. – Carlos Daniel responde olhando Paulina que mal consegue se equilibrar mesmo sentada – Paulina esta muito mal, não sei o que esse desgraçado fez com ela.

– Se ele não estivesse desmaiado eu também daria uns socos nele. – Rodrigo diz chutando as costas de Fabrício, enquanto os policiais o algemam e o arrasta pra fora. – Parece que você quebrou a cara dele.

– Vou levar ele pra delegacia, - o delegado diz olhando Paulina – quando ela se sentir melhor pegaremos o depoimento dela, assim ele pode pegar vários anos na cadeia.

– Claro delegado, - Rodrigo diz – levaremos ela.

O delegado vai atrás dos policiais.

– Paulina meu amor, - Carlos Daniel diz passando a mão no rosto da esposa – a roupa dela esta molhada, com certeza pegou aquela tempestade, vamos Rodrigo vou levá-la pro hospital.

– Não Carlos Daniel... – Paulina diz tentando abrir os olhos – eu quero ir pra casa.

Carlos Daniel beija seus olhos, tira seu casaco e veste em Paulina, e a pega nos braços.

– Quer ajuda Carlos Daniel?

– Não Rodrigo, eu consigo carregá-la.

– Mas meu carro esta longe daqui.

– Tem razão, eu vou te esperar aqui, e você busca o carro. – ele diz entregando as chaves para o irmão.

Carlos Daniel vai ate a varanda e senta no degrau da escada com Paulina no colo, ela o abraça.

– Meu amor, - Carlos Daniel fala passando a mão na sua testa – o que aquele canalha fez com você?

Paulina esta muito quente, e seu cabelo grudado de suor, o frio da manha e a febre a faz tremer.

– Você vai ficar bem minha vida. - ele diz envolvendo-a nos braços.

– Eu te amo Carlos Daniel, - ela diz – me leve pra casa.

– Vou te levar pro hospital primeiro minha vida. – ele diz encostando seus lábios suavemente nos dela.

Rodrigo chega com o carro e Carlos Daniel entra no banco de trás com Paulina a colocando deitada no seu colo.

– Vamos pro hospital Rodrigo.

– Não Carlos Daniel, - Paulina diz meio delirando – hospital não.

– E agora Carlos Daniel? – Rodrigo pergunta – Vai pro hospital ou não?

– Vamos pro hospital Rodrigo, Paulina esta delirando e com muita febre.

Rodrigo parte pro hospital.


– E então doutor? O que ela tem? – Carlos Daniel pergunta com água nos olhos.



– Pelo o que você me contou, a febre é resultado da forte chuva que ela pegou, eu passei alguns medicamentos pra ela, eu iria deixá-la de observação por algumas horas, mas ela insiste em pra casa. É bom ela tomar um banho quente e descansar.


– Mas não tem nenhum problema a levarmos assim? – Carlos Daniel pergunta preocupado.

– Não, a febre dela vai abaixar aos poucos e acho que ela se sentira melhor em casa.

– E o bebe?

– Esta tudo bem com ele, não se preocupe. – o doutor diz sorrindo – pode levá-la pra casa.

Carlos Daniel e Rodrigo vão pra mansão com Paulina que continua com febre, mas que começa a baixar. Quando chegam na mansão Carlos Daniel entra com ela nos braços vovó Piedade esta descendo as escadas.

– Carlos Daniel, o que Paulina tem? E por que esta toda suja assim? – ela diz pegando na testa de Paulina que continua fraca – Ela esta com febre Carlos Daniel

– É uma longa historia vovó, eu vou levá-la pro quarto e Rodrigo te conta. – ele diz e sobe as escadas.

– Vovó. – Rodrigo diz beijando seu rosto.

– Você vai me contar tudo Rodrigo, não pense que eu engoli aquela historia que Carlos Daniel e Paulina estavam em um hotel, você não pode mentir assim pra sua velha avó.

– Me desculpe vovó, mas não podia te contar. – Rodrigo diz enquanto eles vão ate a biblioteca.


Depois de tomarem banho, Carlos Daniel deita Paulina na cama e se senta ao seu lado enquanto olha as marcas da mão de Fabrício no braço da esposa. Paulina que se sente um pouco melhor o olha seria.



– Aquele desgraçado te machucou. – ele diz com ódio – O que mais ele fez com você?


– Carlos Daniel, - Paulina diz fraca – ele não me fez nada, eu estou bem meu amor. – ela diz passando a mão no rosto de Carlos Daniel.

– Como nada minha vida? - ele diz pegando a mão de esposa – Olha como você esta, sem forças pra falar, e com marcas pelo corpo. – ele diz enquanto lagrimas caem pelo seu rosto.

– Não meu amor, - Paulina diz – não fique assim, eu estou bem.

Carlos Daniel a abraça, e beija sua testa.

– Não vamos falar disso agora meu amor, você não esta em condições. – ele se afasta para olhá-la – Esta com fome?

Paulina balança a cabeça negando e sorri para Carlos Daniel.

– Mas você precisa comer minha filha, - vovó diz entrando no quarto – como esta se sentindo?

– Eu estou bem vovó. – ela diz sorrindo enquanto vovó Piedade beija seu rosto.

– Você não esta bem Paulina, - Carlos Daniel diz com as lagrimas caindo pelo seu rosto e pegando o braço de Paulina e mostrando as marcas para a avó – olha o que aquele canalha fez com ela vovó, e ainda esta ardendo de febre.

– Calma Carlos Daniel, - vovó diz pegando na mão do neto – agora esta tudo bem, vamos cuidar de Paulina e logo ela estará bem.

Paulina sorri para a avó e pergunta.

– E as crianças?

– Ainda estão dormindo, não são nem 9:00 da manha, e Paulinha esta com Filó, - vovó diz e sorri – ontem quando deu a hora de vocês chegarem ela ficou te procurando com os olhinhos arregalados olhando pela casa, e como vocês não chegaram chorou muito. Filó demorou pra distraí-la.

Os olhos de Paulina se enchem de lagrimas que começam a cair descontroladas pelo seu rosto.

– Traz ela pra mim Carlos Daniel. – ela diz olhando o esposo que também esta chorando.

– Claro minha vida, - ele diz beijando seus lábios e se levantando – eu volto logo.

Vovó Piedade olha para Paulina e pega as mãos da neta. Adelina entra no quarto com um copo de leite quente e um pão com manteiga.

– Aqui esta vovó, - ela diz colocando a bandeja na mesa ao lado da cama – como se senta D. Paulina?

– Estou bem Adelina. – ela diz limpando os olhos.

– Bem ela não esta Adelina, - vovó diz seria – olha as marcas no braço dela, e Rodrigo disse que ela estava delirando de febre quando a encontraram.

– Minha nossa D. Paulina, - Adelina fala olhando o braço dela – ele te fez muito mal?

– Não Adelina, - Paulina diz se sentando – ele só apertou meu braço com muita força e a corda machucou meu pulso.

– Mas a senhora esta com muita febre, - Adelina diz pegando na testa de Paulina – com certeza não comeu nada também.

– Eu não estou com fome Adelina.

– Mas vai tomar nem que seja só o leite, - vovó diz pegando o copo e entregando para Paulina – e não vai adiantar discutir.

Paulina pega o copo e da um pequeno gole.

– Isso minha filha, - vovó diz sorrindo – eu sei que não esta com vontade, mas tem que se esforçar pra comer.

– Eu vou ver se as crianças já acordaram vovó, - Adelina diz – conto que D. Paulina esta aqui?

– Não Adelina, - vovó diz – deixe Paulina descansar, depois ela vê as crianças.

Adelina sai do quarto e vovó olha seriamente para Paulina.

– Estou esperando você da mais um gole nesse leite Paulina.

Paulina bebe mais um pouco e coloca o leite na mesa.

– Não consigo beber mais vovó.

– Ta bom minha filha, - vovó diz – vejo que se esforçou para tomar, você esta com muita febre e não vai conseguir comer nada mesmo.

Carlos Daniel entra no quarto com Paulinha e Filó.

Paulinha quando vê a mãe estica os bracinhos e sorri, Paulina estica os braços pra filhinha começando a chorar novamente. Carlos Daniel entrega a filha pra esposa.

– Minha filha... – ela diz abraçando o bebê.

Paulinha faz a maior festa no braço da mãe.

– Ela estava mesmo com saudade de você meu amor. – Carlos Daniel diz se sentando ao lado de Paulina.

– Paulina, - Filó diz abraçando-a – como Fabrício teve coragem de fazer isso com você? O conheço desde criança e mesmo sabendo que não vale nada, nunca pensei que seria capaz de fazer algo assim.

– Fabricio esta louco Filó, - Paulina diz aconchegando Paulinha nos braços – ele parecia um lunático.

– Bom Filó, - vovó diz se levantando – vamos deixá-los sozinhos, Paulina precisa descansar e Carlos Daniel também, da pra ver que nenhum dos dois dormiu a noite.

– Claro vovó Piedade, - Filó diz e olha para Paulina – quer que leve Paulinha?

– Não Filó, deixe ela comigo.

– Ta bom Paulina, te conhecendo como conheço, sei que o que mais quer é ficar com sua filha. – ela diz dando um beijo no rosto de Paulina e saindo do quarto.

Carlos Daniel beija a esposa com suavidade, Paulinha não desvia os olhos da mãe.

– Paulinha é louca por você meu amor, - Carlos Daniel diz sorrindo – olha só como esta te olhando.

Paulina beija o rosto da filha e a coloca no meio da cama, ela brinca com a menina por algum tempo, e Paulinha acaba dormindo. Carlos Daniel leva a filha para seu quarto e quando volta se deita coladinho com Paulina a envolvendo nos braços.

– Agora é sua vez de descansar minha vida, - ele diz beijando seus lábios com ternura – você ainda esta muito quente Paulina.

Paulina o abraça forte e logo adormece, Carlos Daniel a olha por um bom tempo passando a mão com suavidade nas marcas do braço da esposa, enquanto sente um desejo enorme de estrangular o pescoço de Fabrício, algum tempo depois ele acaba dormindo também.