[ Comentários ]

iThe Insistence Of Carly escrita por iGabriela Nocera


Capítulo 1
Capítulo Único!


Notas iniciais do capítulo

Heeey Guys!!
Olha eu aqui de novo, com mais uma short. Essa fic eu escrevi há muuuuito tempo, bem antes de iOMG! Entao nem tem nada haver... é que eu tinha escrito só as falas, e só agora resolvi terminar. *-*
Enfim... ela com certeza nao é a melhor fic que ja escrevi... nem de longe. Achei muito boba... mas espero que gostem. É de coração.




( Sentimentos de Sam Puckett )

Ah... mais um sábado entendiante em minha vida. Como sempre, eu não tinha absolutamente nada para fazer. Carly tinha me chamado para ver um filme... uma comédia romantica! Argh!! Carly e seus filminhos água com açúcar. Obviamente eu dormi durante o filme e Carly me acordou, quando o filme terminou.
Começamos a conversar sobre vários assuntos. Novos quadros pro iCarly, ela me falou sobre um garoto que segundo ela é lindo, e que vai morar aqui no prédio. E depois ela começou a me encher de novo, com a mesma conversa de sempre, desde que eu contei um segredo pra ela. Eu sabia que não deveria ter contado, agora ela vai ficar com isso na cabeça, sei lá por quanto tempo, e vai ficar voltando no assunto, sempre que pode.

Sam: Carly... pára...eu não quero falar disso! - Eu disse, séria. Tentando encerrar a conversa que me deixa muito nervosa.

Carly: Você devia contar! - Insistia Carly. Cara... ela me irrita com isso. Porque eu não enchi minha boca de bacon, quando tive a brilhante idéia de dizer à Carly o que eu sinto pelo Freddie. Se eu estivesse de boca cheia naquele momento, ela não ficaria me azucrinando, com isso.

Sam: Não! Eu não vou contar! - Eu falei, brava.

Carly: Porque não?

Sam: Porque eu não quero!

Carly: Aiii... pára com isso! Você tem que dizer a verdade....- Ela disse com aquele tom de voz, de sermão. Arrrgh! Odeio quando ela faz essa voz. Parece até minha mãe. Bom... na verdade ela parece uma mãe, porque a minha mãe, nem liga pra isso.

Sam: Mas eu não vou! Agora CALA A BOCA! - Eu gritei, já extremamente brava. Nesse momento, Spencer saiu correndo da cozinha, e se trancou no quarto.

Provavelmente ele sabe, que vamos acabar brigando, e não quer estar no meio disso.

Carly: NÃO ME MANDA CALAR A BOCA, SAM! E ME DÊ UM MOTIVO PARA NÃO FALAR? - Ela esbravejou. Em seu rosto, eu pude ver uma certa fúria mesclada a tristeza. Ok, acho que exageri um pouco, não deveria ter mandado ela calar a boca, afinal.... ela só quer ajudar. E pelo que ela fala, o Freddie também gosta de mim. Só que... eu não consigo acreditar.... porque na boa, que motivos o Freddie teria para gostar de mim, eu só o maltrato e sempre que ele fala algo, eu tento desprezá-lo. É... eu sei, sou idiota, porque ao invés de ser legal com o Freddie, e tentar conquistá-lo, eu o machuco e acabo afastando ele de mim. Mas, fazer o que... ele só tem olhos pra Carly. Agora... minha amiga, quer um motivo de eu não me declarar pro Freddie... hump! Um motivo? Eu posso dar vários motivos... mas todos eles, Carly vai achar que sou idiota e que o que eu digo, não é verdade.

Sam: Simples... EU NÃO QUERO QUE O FREDDIE SAIBA QUE EU O AMO. - Eu berrei, à ela. No minuto em que eu gritei isso, levei a mão na boca, na tentativa de me calar. Mas eu já tinha falado. Carly parecia surpresa. Ouvi a porta se abrir....

Freddie: Então deveria falar mais baixo. - Ouvi Freddie dizendo, enquanto fechava a porta. AH MEU DEUS! ELE OUVIU, TUDO! Fiquei paralisada, em choque. Freddie estava... sorrindo? Como assim? Lentamente, virei a cabeça para o lado e vi um sorriso enorme, no rosto de Carly.

Sam: Freddie...- Eu sussurrei. Não consegui falar mais nada. Num rápido impulso, me virei e subi as escadas, indo direto para o quarto da Carly. Tranquei a porta e comecei a chorar.

Freddie: Sam... abre a porta. - Ouvi sua voz doce e calma, do lado de fora do quarto.

Sam: Sai daqui!! - Eu falei com uma voz baixa. Eu queria gritar, mas não consegui. Eu estou tão envergonhada e triste.. como eu fui gritar em alto e bom som, que eu amo o Freddie. Eu não devia ter feito isso. E se ele não me amar? Eu não quero que ele sinta pena de mim... ARGH! Tudo por culpa da Carly e sua insistencia.

Freddie: Abre a porta, por favor. - Ele pediu, novamente. Sua voz saiu um pouco fraca. E agora? O que eu faço? Eu não quero abrir essa porta... estou com medo. Mas eu também não posso fugir para sempre dele, e conhecendo o Freddie como eu o conheço, ele não irá embora. Então... eu vou abrir.... vamos lá Samantha, é só agir naturalmente.
Enxuguei um pouco das lágrimas, na manga do meu casaco, respirei fundo e aos poucos abri a porta. Freddie estava sério, e assim que dei passagem, ele entrou rapidamente. Fechei a porta e caminhei até o sofá do quarto. Me sentei e fiquei calada. Não tinha coragem de nem ao menos encará-lo. Minhas mãos tremiam, eu sentia um pequeno calafrio, percorrer meu corpo. Esse silêncio está doendo muito. Porque ele está aqui? Porque não diz logo algo, antes que meu coração exploda, de tão forte e rápido que está batendo.

Freddie: Então... o que você disse, é sério? - Ele perguntou, baixinho. Senti que ele estava parado, de pé, atrás de mim. Não ousei me virar, pois meus olhos devem estar muito inchados.

Sam: Ahn.. não! - Eu disse, tentando manter um tom de voz, firme.

Freddie: Que pena... - Falou, triste. Como assim que pena?

Sam: Porque? - Perguntei, curiosa.

Freddie: Porque eu te amo. - Ele disse, sentando ao meu lado. AH MEU DEUS! Pára tudo! Ele.... ele.... me ama? Não... não pode ser.

Sam: Eu não acredito. - Eu disse, me levantando. Eu queria muito acreditar que isso é verdade, mas ele não tem motivos para se apaixonar por mim. Não mesmo. E o amor que ele dizia sentir pela Carly? Cade? Não... isso não é verdade.

Freddie: Porque?

Sam: Porque.... até pouco tempo você dizia amar a Carly. - Falei, tentando não chorar. Força Sam, não deixa ele te ver chorando.

Freddie: É...mas isso foi há muito tempo... eu estou apaixonado por você. - Ele falou, se aproximando de mim. Dei um passo pra trás.

Sam: Hum... ainda assim, não acredito! - Eu disse, me virando de costas para ele. Senti a primeira lágrima escapar dos meus olhos, deslizando lentamente pelo meu rosto. Não chore Sam. Seja forte, e espere ele sair do quarto. Rapidamente enxuguei a lágrima solitária, e mais uma vez, respirei fundo, tentando segurar o choro o máximo que eu pudesse.

Freddie: Ok.. então eu vou provar. - Ele disse, com uma voz calma e um pouco rouca. Percebi que ele se aproximou de mim, mas eu não me virei. Continuei virada de costas para ele. De braços cruzados, tentando segurar as lágrimas que se acumulavam em meus olhos, prontas para sair.

De repente, senti seus braços ao redor do meu corpo, me abraçando delicamente. Um arrepio percorreu meu corpo, e fez meu coração bater mais rápido. Por um momento, parei até de respirar. Seu perfume delicioso, me deixava em transe. Eu simplesmente não me mexia. Não tinha forças. Eu sentia que se ele não tivesse atrás de mim, me abraçando, eu perderia o equilibrio e cairia.
Sua respiração quente, batendo no meu pescoço, suas mãos macias em cima das minhas, só me deixava mais nervosa.

Freddie: Sam....- Ele sussurrou em meu ouvido, enquanto me virava de frente para ele. Minhas pernas estavam totalmente bambas, minhas mãos geladas e a minha respiração, completamente descontrolada. Seus olhos cor de chocolate, brilhavam de um jeito que me hipnotizaram. Freddie se aproximou de mim, e roçou seus lábios levemente nos meus. Fechei os olhos e logo, senti minha boca ser tomada pela dele, num beijo calmo. Pela segunda vez na minha vida, eu pude ver e ouvir a explosão de fogos de artifício, que começara com apenas um beijo. É uma sensação única e inexplicável. Suas mãos apertavam minha cintura, colando meu corpo ao seu, e minhas mãos brincavam e bagunçavam seu cabelo. O beijo que começou calmo, foi se intensificando. Minha língua buscava desesperadamente a dele, e juntas dançavam agitadas, como se ambas estivessem esperando por esse momento, à tempos. Bom, na verdade, eu acho que estavam. Meu coração batia como louco, e pelo que posso perceber enquanto deslizava minhas mãos sobre o peito de Freddie, era que o dele estava do mesmo jeito.

Respirávamos ofegantes, pela falta de ar que o beijo nos causara, mas nenhum de nós queria parar. Infelizmente, tivemos que parar... contra a minha vontade, fui aos poucos desacelerando nosso ritmo, para algo mais calmo e delicado. Cessamos o beijo devagar, e Freddie me abraçou forte. Deitei a cabeça em seu ombro e assim permanecemos por alguns minutos, em silêncio, enquanto recuperávamos o folêgo.

Freddie: E..agora... acredita? Porque... se disser que não, eu tenho outras maneiras....de lhe provar isso.- Ele perguntou baixinho.

Sam: Eu... acredito, mas... não seria má idéia se você me mostrasse as outras maneiras. - Eu falei, levantando a cabeça, para encará-lo. Ele sorria, me desconsertando novamente. Sorri de volta para ele, e o abracei de novo, bem forte.

Freddie: Ah, eu vou te mostar... tenha a certeza disso. Tenho a vida toda para te mostrar isso. - Ele falou, acariciando meus cabelos.

Sam: Eu te amo. - Eu sussurrei próximo ao seu ouvido.

Freddie: Eu também te amo. - Ele disse, me dando um selinho.

Carly: Owwwwwnn!!! - A ouvi de repente, nos separamos e olhamos para a porta. Carly estava parada, sorrindo.

Sam: Ahn...- Eu soltei sem querer... senti meu rosto esquentar, encarei Freddie e percebi que ele estava vermelho.

Carly: Ah... eu estraguei o clima. Desculpem... mas é que eu tenho que me arrumar, sabe. - Ela disse, com um sorriso amarelo. Huuum... com certeza ela vai sair com um garoto.

Sam: Ah é? Vai sair com quem? - Perguntei, bem diretamente. Ela me encarou um pouco surpresa e corou.

Carly: Com ....o Brad. Nós vamos... é... conversar sobre os novos quadros do iCarly. - Ela disse, nervosa. Hump! Cara.. ela não sabe mesmo mentir.

Freddie: Com o Brad? - Ele perguntou com uma expressão confusa.

Sam: E porque o Freddie e eu não fomos convidados para essa '' conversa ''? - Eu disse, num tom irônico, fazendo aspas no ar. Carly ficou toda sem graça, e desviou seu olhar para o chão. Freddie finalmente percebeu o que estava rolando e sorriu.

Carly: Ah Sam... vai beijar seu namorado e não enche. - Ela esbravejou, completamente vermelha.

Sam: Nem precisa mandar duas vezes... fuuui!! - Eu disse rindo, puxando Freddie pelo braço em direção a porta.

Carly: Isso não tem graça, Sam. - Ela disse, com uma voz chorosa. Sai do quarto, com Freddie logo atrás de mim. Descemos de mãos dadas até a sala. Peguei minhas coisas e juntos caminhamos até a saída de incêndio, para '' cumprir as ordens '' da minha amiga, beijar meu namorado.

Sabe... eu meio que deveria estar brava com a Carly, porque ela é irritante as vezes, e muito insistente. Mas apesar de tudo... eu tenho é que agradecer à Deus por ela ser assim, tão intrometida e persistente, porque se não fosse isso, eu não teria me irritado com ela, nem teria exposto meus sentimentos aos gritos, e ainda estaria sem saber que o Freddie me ama. É... provavelmente eu estaria sentada no sofá dos Shay, assistindo TV, completamente entediada. Ok... amanhã eu lembro de agradecer a Carly por isso, agora eu vou aproveitar esse maravilhoso momento a sós com o meu Freddie.

FIM!!!



Notas finais do capítulo

Heey Guys!
Entao... essa fic foi curta mesmo.
E nao está das melhore.. eu sei. Sorry!
Mas foi de coração.. espero que gostem
Leiam a fanfic que postei ontem aqui: https://www.fanfiction.com.br/historia/201220/iMy_Christmas_Without_You
Espero que gostem dela tambem.
Beijos. Amo voces.



Hey! Que tal deixar um comentário na história?
Por não receberem novos comentários em suas histórias, muitos autores desanimam e param de postar. Não deixe a história "iThe Insistence Of Carly" morrer!
Para comentar e incentivar o autor, cadastre-se ou entre em sua conta.